ESTOQUES DE CARBONO E DIÓXIDO DE CARBONO EQUIVALENTE EM ÁRVORES DE RUA DE CIDADES BRASILEIRAS

Allan Rodrigo Nunho dos Reis, Daniela Biondi, Severo Ivasko Junior, Jennifer Viezzer, Tamara Ribeiro Botelho de Carvalho Maria, Kendra Zamproni

Resumo


As árvores urbanas proporcionam diversos benefícios para as pessoas, com destaque para a sua contribuição para a mitigação da mudança do clima por meio da fixação do carbono durante a formação da sua biomassa. Este estudo buscou estimar o estoque de carbono e dióxido de carbono equivalente (CO2eq) em 600 árvores de cinco espécies (Tipuana tipu, Acer negundo, Ficus benjamina, Terminalia catappa, e Licania tomentosa) plantadas na arborização viária de três cidades brasileiras (Curitiba, Paraná; Itanhaém, São Paulo; e Bonito, Mato Grosso do Sul). Para isso, foram utilizadas três equações alométricas desenvolvidas para as zonas climáticas seca e úmida, tendo o diâmetro à altura do peito e a altura total das árvores como variáveis independentes. Verificou-se que as equações para zonas secas estimaram com maior precisão o estoque de carbono, e que a espécie Tipuana tipu apresentou maior potencial para estocar carbono. Conclui-se que o desenvolvimento de equações que estimem com precisão o estoque de carbono é essencial para o conhecimento do potencial das árvores urbanas em contribuir com a mitigação dos efeitos da mudança do clima.


Palavras-chave


Equações alométricas. Floresta Urbana. Mitigação. Mudança do Clima.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v14i4.68565

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.