ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS NA ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS DE MARINGÁ-PR

Christopher Thomas Blum, Marília Borgo, André Cesar Furlaneto Sampaio

Resumo


Apesar da temática das espécies exóticas invasoras ser recente no meio científico, e praticamente desconhecida pela sociedade, a invasão biológica desencadeada por elas é a segunda maior causa de perda da biodiversidade no planeta. Quando introduzidas em novos ambientes, elas adaptam-se e ocupam agressivamente o espaço de espécies nativas, produzindo desequilíbrios muitas vezes irreversíveis. Este estudo procurou avaliar o contexto das espécies exóticas na arborização de vias públicas de Maringá. A análise baseou-se nos dados do Projeto Árvore – Censo Verde de Maringá, que cadastrou cerca de 90% das árvores encontradas na arborização. Constatou-se que, das 87 espécies registrados, apenas 24,1% são nativas da Floresta Estacional Semidecidual, bioma onde se insere Maringá. As demais são oriundas de outras formações vegetacionais do Brasil (20,6%) ou de outros países (55,2%). Dezesseis (18,4%) espécies exóticas registradas têm potencial de invasão, destacando-se Hovenia dulcis, Leucaena leucocephala, Melia azedarach e Tecoma stans como as que possuem maior capacidade de invasão biológica, dispersando-se vigorosamente a partir das vias públicas, através de florestas ciliares e áreas degradadas. Em futuros planejamentos de manejo da arborização deverá ser prevista a substituição gradativa destas espécies por outras, preferencialmente nativas da região.

Palavras-chave


Invasão Biológica, Arborização Urbana, Biodiversidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v3i2.66347

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.