A APROPRIAÇÃO DAS ÁREAS VERDES PELOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS VERTICAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

Larissa Sayuri Tsuda

Resumo


Esta pesquisa analisa a relação entre a cidade e as áreas verdes urbanas no aspecto específico das áreas verdes criadas pelo mercado imobiliário na cidade de São Paulo. Partiu-se do pressuposto que, nos últimos anos, o verde se tornou um elemento valorizado pelo mercado imobiliário, e se procurou investigar os motivos desse interesse repentino do mercado imobiliário em manter ou criar áreas verdes na cidade. A primeira parte do trabalho trata do processo de implantação das áreas verdes públicas na cidade de São Paulo, e do histórico da valorização das áreas verdes na cidade. A segunda parte do trabalho analisa os empreendimentos residenciais verticais com bosque privativo lançados nos últimos anos na cidade de São Paulo. Foram reunidos dados dos empreendimentos deste tipo lançados na cidade de São Paulo entre 2004 e 2008, por meio de pesquisa dos materiais de divulgação dos empreendimentos. Buscou-se caracterizar o padrão destes empreendimentos, para qual classe estes estão voltados, bem como a localização destes dentro da cidade. Concluiu-se que o condomínio residencial vertical com bosque privativo é um produto voltado à classe de alta renda. E que o acesso às áreas verdes na cidade é, em grande parte, intermediado pelo mercado imobiliário.

Palavras-chave


áreas verdes, mercado imobiliário, bosque privativo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v5i1.66236

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.