BIOSSÓLIDO NA COMPOSIÇÃO DE SUBSTRATOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS DE DUAS ESPÉCIES FLORESTAIS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA

Juçara Garcia Ribeiro, Paulo Sérgio dos Santos Leles, Aline Cássia da Fonseca, Thasso José Silva e Sousa, João Elves da Silva Santana

Resumo


O lodo de esgoto é um produto resultante do tratamento de águas residuárias das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) que depois de estabilizado é denominado biossólido. Este componente constitui fonte de matéria orgânica e de nutrientes, apresentando potencial para a produção de mudas florestais, além de reduzir os impactos ambientais ocasionados pela disposição inadequada desse resíduo. Este trabalho objetivou avaliar o potencial do biossólido como componente de substrato para a produção de mudas de Handroanthus impetiginosus e Libidibia ferrea para fins de arborização urbana. Foram testadas diferentes proporções volumétricas de biossólido (BIO) misturado em subsolo argiloso (SA) e tratamento controle constituído por esterco bovino (EB) misturado em subsolo argiloso, constituindo as seguintes formulações: T1= 40% EB + 60% SA; T2= 20% BIO + 80% SA; T3= 40% BIO + 60% SA; T4= 80% BIO + 20%SA. Dados de altura e diâmetro de coleto foram coletados, trimestralmente, até 12 meses após o transplantio das mudas para as latas com capacidade volumétrica de 18 litros. As mudas das duas espécies não apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos utilizados, sendo possível empregar tanto o esterco bovino quanto as dosagens de biossólido avaliadas no presente estudo.


Palavras-chave


ipê-roxo; pau-ferro; lodo de esgoto

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v13i2.63592

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.