CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS VERDES NA CIDADE DE SORRISO-MT

Raphael Maia Aveiro Cessa

Resumo


Promover no ambiente urbano a melhoria das condições ambientais com intuito de elevar a qualidade de vida das pessoas é possível com a presença de áreas verdes (áreas com vegetação arbórea, arbustiva e/ou rasteira, podendo ser nativa ou introduzida). Assim, foi avaliado o conforto térmico em duas áreas verdes na cidade de Sorriso no Estado de Mato Grosso, Brasil pelo Índice Desconforto Térmico (IDT), por meio da temperatura (T) e umidade (UR) do ar com aparelhos Termo-Higro-Anemômetro; foram obtidos mapas de IDT pelo interpolador krigagem georreferenciando-se as áreas verdes com uso de antena receptora de sinal GPS. A primeira área verde é conhecida como área verde central, a outra foi o Parque Ecológico Municipal. Nessas referidas áreas estipulou-se também o grau de estresse fisiológico humano por meio da sensação de temperatura corpórea humana. No interior das áreas verdes há menores valores de T e maiores de UR do que nas áreas externas, mesmo não sendo possível a todo momento, um adequado conforto térmico nas áreas verdes. O conforto térmico adequado nas áreas verdes estudadas parece existir da meia-noite até 08:30 horas, sendo que das 15:00 horas até a meia noite já é possível um conforto térmico parcial.


Palavras-chave


Temperatura; Terrenos públicos; Umidade relativa.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v12i1.63487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.