ARBORIZAÇÃO URBANA E APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO LIVRE PÚBLICO EM MONTANHAS - RN: PERCEPÇÃO DOS ASPECTOS REGULATÓRIOS

Ana Maria Jerônimo Soares, Rodrigo Leone Alves

Resumo


Plantar árvores sem planejamento prévio acarreta conflitos no uso dos espaços públicos, ocasionando vulnerabilidades na mobilidade/acessibilidade de transeuntes. O presente estudo teve como objetivo realizar uma análise da percepção de moradores acerca da compatibilidade entre a presença de espécies arbóreas e os espaços de circulação no município de Montanhas/RN. A metodologia adotada abordou uma investigação empírica, através de estudo de caso. Os dados foram coletados a partir de um questionário semiestruturado. A pesquisa contou com a participação de 390 indivíduos, selecionados de forma aleatória. Os resultados apontam que 50,77% dos envolvidos na pesquisa afirmaram que as árvores no entorno de suas residências são plantadas nas calçadas, e que os moradores participam do plantio; A maioria deles (80%) afirmou não ter conhecimento sobre as normas técnicas de plantio e manutenção, mas por necessidade realizam podas e cortes por conta própria (50%); 71% estão entre parcialmente e totalmente insatisfeitos com a arborização local; Os problemas mais citados foram: calçadas danificadas/rachadas pelas raízes (98,71%), tocos residuais e podas mal feitas (96,41%), e árvores obstruindo passagens (91,79%). Conclui-se que a arborização local merece maior atenção dos órgãos responsáveis, de modo a assegurar os benefícios desse processo e fomentar orientação técnica, intervenção e infraestrutura padronizada.


Palavras-chave


Espaços públicos; Percepção ambiental; Plano diretor municipal

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v12i2.63452

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.