FLORÍSTICA, ECOLOGIA E POTENCIAL PAISAGISTICO DE PALMEIRAS DO PARQUE ZOOBOTÂNICO DO MUSEU PARAENSE EMILIO GOELDI, BELÉM – PA

Laura Suéllen Lisboa Ferreira, José Amir Lima de Sousa, Mário Augusto Gonçalves Jardim

Resumo


As palmeiras estão amplamente distribuídas em todos os ecossistemas amazônicos e são utilizadas integralmente por comunidades na alimentação, na produção comercial, artesanal e nos centros urbano como insumo paisagístico em ambiente interno e externo. Este estudo teve como objetivo identificar as palmeiras com potencial paisagístico e seus respectivos requerimentos ecológicos. O levantamento florístico foi realizado em 5,4 ha do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi em parcelas de 10 x 10 m registrando-se e identificando das espécies e posteriormente caracterizando quanto ao hábito de crescimento, o status ecológico e o potencial paisagístico. Foram registrados 32 gêneros e 50 espécies com Attalea sp. em maior número de espécies. O hábito arbóreo foi dominante para 42 espécies (84%), a status ecológico mostrou que 36 espécies são nativas da Amazônia (72%) e a alta luminosidade foi o padrão para 18 espécies (36%). As palmeiras do Jardim Botânico do Museu Paraense Emílio Goeldi compõem uma amostra significativa da diversidade de palmeiras da Amazônia como elementos para a conservação ex situ e valor paisagístico, ambiental, social e econômico para região.

 


Palavras-chave


Arecaceae; Potencial paisagístico; Paisagismo urbano

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v9i4.63313

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.