ARBORIZAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ITAPURANGA, GOIÁS

Rosilane Fernanda de Faria, Valéria Rodrigues de Sousa, Sabrina do Couto de Miranda

Resumo


A arborização urbana deve respeitar valores culturais, ambientais e a memória da cidade. Contudo, a maioria das cidades negligencia a arborização favorecendo plantios irregulares com predomínio de espécies exóticas. Para se planejar a arborização primeiramente é preciso conhecer a composição florística local. Assim, este estudo objetivou analisar a composição florística da vegetação encontrada nas vias públicas de quatro bairros, com diferentes décadas de criação, da cidade de Itapuranga-Goiás. Foram sorteados bairros criados a partir da década de 1970. Em cada bairro foram amostradas cinco ruas onde todos os indivíduos lenhosos com diâmetro da base ? 5 cm tiveram seus diâmetro e altura mensurados. No total foram amostrados 738 indivíduos, 55 espécies e 24 famílias. Fabaceae apresentou o maior número de espécies (11). As espécies Syzygium malaccense (L.) Merr. & L.M. Perry e Licania tomentosa (Benth.) Fritsch juntas representaram 66% do total de indivíduos plantados nas vias públicas, fator que influenciou a biodiversidade local. Quanto à similaridade, os bairros São Sebastião do Xixá (1970) e Parque Alvorada (1980) foram os mais similares entre si. A análise dos bairros mostrou heterogeneidade florística, variação devido à falta de planejamento da arborização.


Palavras-chave


Levantamento Florístico; Vias Públicas; Diversidade; Planejamento

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v9i2.63192

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.