AMAZÔNIA: SABERES LOCAIS, SOLIDARIEDADE ORGÂNICA E FLEXIBILIDADE EQUATORIAL

Saint-Clair Cordeiro da Trindade Júnior, Gabriel Carvalho da Silva Leite, Helbert Michel Pampolha de Oliveira

Resumo


O trabalho busca discutir algumas das particularidades da relação entre sociedade e natureza na Amazônia à luz da noção miltoniana de “flexibilidade tropical”, que, adaptada ao contexto da realidade geográfica em foco, é denominada de “flexibilidade equatorial”. Com base em revisão bibliográfica e em experiências de pesquisas realizadas em diferentes sub-regiões da porção centro-oriental da Amazônia brasileira, são abordadas algumas das expressões desse importante atributo da produção social do espaço regional, notadamente as cidades organicamente solidárias, as práticas econômicas culturalmente flexíveis e os objetos de grandeza cidadã. Procura-se mostrar que essas e outras manifestações da “flexibilidade equatorial” sugerem a possibilidade de pensar alternativas aos modelos econômicos de ordenamento territorial impostos exogenamente e que, por essa razão, pouco dialogam ou mesmo negam as particularidades da sociedade e da natureza amazônicas. Desse modo, conclui-se que os saberes locais, as culturas populares, as formas espaciais inclusivas, as divisões locais e regionais do trabalho, os tempos lentos e as solidariedades orgânicas constituem atributos fundamentais a serem considerados na concepção e na implantação de um ordenamento de natureza cívico-territorial, necessário para garantir um patamar de qualidade de vida mais satisfatório e sintonizado com a dinâmica da vida cotidiana e com as demandas cidadãs dos povos da Amazônia.


Palavras-chave


Flexibilidade tropical; Relações orgânicas; Horizontalidades; Ordenamento cívico-territorial; Região amazônica

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, B. K. Amazônia. São Paulo: Ática, 1990.

BECKER, B. K. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Parcerias Estratégicas, Brasília, v. 6, n. 12, p. 135-159, set. 2001.

BICUDO JR., E. O circuito superior marginal: produção de medicamentos e o território brasileiro. 2006. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BITOUN, J. A produção da cidade no Brasil: algumas propostas metodológicas acerca de tempos e espaços – relembrando “flexibilidade tropical” de Milton Santos. In: SPOSITO, E. et al. (Org.). A diversidade da Geografia brasileira: escalas e dimensões da análise e da ação. Rio de Janeiro: Consequência, 2016. p. 143-167.

COSTA, F. A. Grande capital e agricultura na Amazônia: a experiência Ford no Tapajós. Belém: EDUFPA, 1993.

COSTA, T. Trilhando uma epistemologia da lentidão. Redobra, Salvador, n. 10, p. 179-185, 2012.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DARDOT, P.; LAVAL, C. Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017.

DORFMAN, A. Para ler Milton Santos: a escritura em “A natureza do espaço”. In: SCHEIBE, L. F.; DORFMAN, A. (Org.). Ensaios a partir de “A natureza do espaço”. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007. p. 19-39.

GAUDIN, T. L’écoutes des silences: les institutions contre l’innovation. Paris: Union Générale d’Éditions, 1978.

GRANDIN, G. Fordlândia: ascensão e queda da cidade esquecida de Henry Ford na selva. Tradução Nivaldo Montingelli Jr. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

GUZMÁN, D. La primera urbanización de los «abunás», mamelucos, indios y jesuitas en las ciudades portuguesas de la Amazonía, siglos XVII y XVIII. Boletín Americanista, Barcelona, año LXVII, v. 2, n. 75, p. 53-73, 2017.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HARVEY, D. Justice, nature and the geography of difference. Oxford: Blackwell, 1996.

HARVEY, D. A criação dos bens comuns urbanos. In: HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martin Fontes, 2014. p. 134-169.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace.Paris: Anthropos, 1974.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

LOUZADA, E. F. A compra compartilhada como possibilidade de contratação sustentável entre Instituições Federais de Ensino Superior no Município de Belém. 2017. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

MALHEIRO, B. C. P.; TRINDADE JR., S-C. C. Entre rios, rodovias e grandes projetos: mudanças e permanências em realidades urbanas do Baixo Tocantins. In: TRINDADE JR., S-C. C.; CARVALHO, G.; MOURA, A.; GOMES NETO, J. (Org.). Pequenas e médias cidades na Amazônia. Belém: FASE: ICSA-UFPA, 2009. p. 59-91.

MARINHO, T. P.; SCHOR, T. Segregação socioespacial, dinâmica populacional e rede urbana na cidade de Parintins/AM. Geografares, Vitória, v. 7, p. 77-92, 2009.

MARTINS, J. S. O tempo da fronteira: retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 25-70, maio 1996.

MEDEIROS, J. F. S. As feiras livres em Belém (PA): dimensão geográfica e existência cotidiana. 2010. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém.

MONTENEGRO, M. R. Globalização, trabalho e pobreza no Brasil metropolitano: o circuito inferior da economia urbana em São Paulo, Brasília, Fortaleza e Belém. 2011. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

NUNES, D. A. Feiras livres & feiras de exposição: expressão da relação cidade-floresta no sudeste do Pará. 2015. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

OLIVEIRA, H. M. P. A noção de região em Milton Santos: contribuições para pensar a Amazônia. 2019. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

PEREIRA, J. C. M. Amazônia: a fala do desenvolvimento e os modos de vida na cidade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2019.

RODRIGUES, A. F. A. C. A produção do espaço pelo e para o turismo na Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu (Belém-Pará). 2018. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 1. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SANTOS, M. Meio ambiente construído e flexibilidade tropical. In: SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994a. p. 73-80.

SANTOS, M. Por uma economia política da cidade:o caso de São Paulo. São Paulo: Educ, 1994b.

SANTOS, M. Os grandes projetos: sistema de ação e dinâmica espacial. In: CASTRO, E. M. R.; MOURA, E.; MAIA, M. L. S. (Org.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EDUFPA, 1995. p. 13-20.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. O território e o saber local: algumas categorias de análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, ano XIII, n. 2, p. 15-26, 1999.

SANTOS, M. A universidade: da intencionalidade à universalidade. Anuário Estatístico de Geociências – UFRJ, Rio de Janeiro, v. 23, p. 13-15, 2000.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, M. Região: globalização e identidade. In: LIMA, L. C. (Org.). Conhecimento e reconhecimento: homenagem ao geógrafo cidadão do mundo. Fortaleza: EDUECE, 2003. p. 53-64.

SANTOS, M. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 6. ed. 1. reeimp. São Paulo: EDUSP, 2008. (Coleção Milton Santos, 2).

SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. 5. ed. 3. reeimp. São Paulo: EDUSP, 2012. (Coleção Milton Santos, 5).

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O ensino superior público e particular e o território brasileiro. Brasília: ABMES, 2000.

SILVEIRA, M. L. Os dinamismos da pobreza. In: CARLOS, A. F. A.; OLIVEIRA, A. U. (Org.). Geografias de São Paulo: representação e crise da metrópole. São Paulo: Contexto, 2004. p. 59-70.

SILVEIRA, M. L. O lugar defronte os oligopólios. In: DANTAS, A.; TAVARES, M. A. A. (Org.). Lugar-mundo: perversidades e solidariedades. Encontros com o pensamento de Milton Santos. Natal: EDUFRN, 2011. p. 79-100.

SOUSA SANTOS, B. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

TOZI, F. Rigidez normativa e flexibilidade tropical: investigando os objetos técnicos no período da globalização. 2012. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

TRINDADE, G. O. A cidade & a soja: impactos da produção e circulação de grãos nos circuitos da economia urbana de Santarém-Pará. 2015. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

TRINDADE JR., S-C. C. Das “cidades na floresta” às “cidades da floresta”: espaço, ambiente e urbanodiversidade na Amazônia brasileira. Papers do NAEA, Belém, n. 321, p. 1-22, dez. 2013.

TRINDADE JR., S-C. C. et al. Espacialidades e temporalidades urbanas na Amazônia ribeirinha: mudanças e permanências a jusante do rio Tocantins. Acta Geográfica, Boa Vista, Ed. Especial Cidades na Amazônia brasileira, p. 117-133, 2011.

TRINDADE JR., S-C. C.; MADEIRA, W. V. Polos, eixos e zonas: cidades e ordenamento territorial na Amazônia. PRACS, Macapá, v. 9, n. 1, p. 37-54, jan./jun. 2016.

TRINDADE JR., S-C. C.; ROCHA, G. M. (org.) Cidade e empresa na Amazônia: gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Paka-Tatu, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v52i0.75488

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009