Cisheteronormatividade como instituição total

Eli Bruno Prado Rocha Rosa

Resumo


O presente trabalho pretende dar forma à ideia de cisheteronormatividade, a partir de conceitos de teóricos de gênero e sexualidade que apresentam a normatividade como heteronormatividade e cisnormatividade ou cissexismo, convertendo tais conceitos, até então distintos, em conjunto delimitado e único, que oprime e marginaliza sujeitos inadequados à cisheteronorma. Corroborando tal pressuposto - da cisheteronorma como força única e não separadamente como heteronormatividade e cissexismo - será feita uma leitura cruzada com o conceito de “instituições totais”, instituições disciplinares que têm como principal objetivo a modelagem da subjetividade dos indivíduos que nela vivem, comparando ações de violência (que se supõem corretivas) contra a comunidade LGBT com ações de reforço e punições presentes nas instituições totais caracterizadas por Goffman na obra Manicômios, prisões e conventos (1961). Dessa forma, a sociedade pode ser globalmente compreendida como uma instituição total que tem como objetivo a modelagem da subjetividade dos corpos para que estes naturalizem identidades cisgêneras e heterossexuais, através de esquemas de reforços e punições bem delimitados, tais quais as instituições estudadas por Goffman.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Mateus Felipe. Olhares cruzados: o pink money e o movimento LGBT, 2019. 70p. (Monografia) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2019.

BAGAGLI, Beatriz Pagliarini. Orientação sexual na identidade de gênero a partir da crítica da heterosexualidade e cisgeneridade como normas. Macapá: Letras Escreve, 2017. Disponível em Acesso em 19 mar. 2019.

DUQUE, Tiago. Gêneros incríveis: um estudo socioantropologico sobre as experiencias de (não) passar por homem e/ou mulher. Campo Grande: Editora UFMS, 2017, 238 p..

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do "sexo". In: LOURO, Guacira Lopes (org.). Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 110-127. Disponível em Acesso em 10 abr. 2019.

____________. A ordem compulsória do sexo/ gênero/ desejo. In: BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. trad. Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 24-26.

CAMARGO, Pedro; MELO, Júlia. Transburocracia. Disponível em Acesso em 19 mar. 2019.

COHEN, Cathy J. “Punks, bulldaggers, and welfare queens: the radical potential of queer politics?” In: GLQ - A Journal of lesbian & gay studies, Vol. 3. Canada: Overseas Publishers Association, 1997, p. 437-465.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber; tradução de Maria Theresa da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2010.

__________. História da sexualidade I: a vontade de saber; tradução de Maria Theresa da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos; tradução de Dante Moreira Leita. São Paulo: Perspectiva, 2005. Disponível em Acesso em 22 abr. 2019.

GRIMM, Raíssa Éris. Heteronormatividade e transfobia: sobre a invisibilidade trans lésbica. 2017. Disponível em Acesso em 19 mar. 2019.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário: a normatividade em ação. Revista Retratos da escola, Brasília, v.7, n. 13, p. 481-498, jul/dez. 2013. Disponível em Acesso em 28 de set. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 457, de 19 de agosto de 2018. Disponível em

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0457_19_08_2008.html> Acesso em 19 mar. 2019.

MOREIRA, Márcio Borges; MEDEIROS, Carlos Augusto de. Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. ICD-11 for Mortality and Morbidity Statistics. Disponível em Acesso em 20 jul. 2019.

PRADO, Marcelo de Oliveira. Mulheres travestis e trans: relações entre violências e subjetividades. Florianópolis: UFSC, 2017. Disponível em Acesso em 08 abr. 2019.

PRECIADO, Paul B. “Multidões queer: Notas para uma política dos ‘anormais’”. Rev. Estud. Fem. vol.19 no.1 Florianópolis jan./abr. 2011. Disponível em Acesso em 24 jan. 2019.

__________. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica; tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2018.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Salvador: UFBA, 2015.

WITTIG, Monique. “On the social contract”. In: The straight mind and other essays. Boston: Beacon Press, 1992. p. 33-45.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.