AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM POLPAS DE MORANGO INDUSTRIALIZADAS

VANESSA HELOISA FERREIRA DE DE FARIA, BÁRBARA MESQUITA DIAS, MÁRCIA CASSIMIRA MARCOS DA COSTA, VIRGINIA RIBEIRO DA SILVA, ANELISE LAPERTOSA DRUMMOND, VANESSA PAIVA FRANCO, MARIEM RODRIGUES RIBEIRO DA CUNHA, HELOÍZA MARIA OLIVEIRA HORTA FRANKLIN, TÂNIA MARA AMÂNCIO GUERRA PEIXOTO

Resumo


Amostras de polpas de morango industrializadas, comercializadas no estado de Minas Gerais, foram coletadas no período de 2006 a 2007 pelas Vigilâncias Sanitárias e encaminhadas à Fundação Ezequiel Dias para análise de resíduos de agrotóxicos. Realizou-se a extração pelo método de multirresíduos com acetona, diclorometano e hexano. Os extratos obtidos foram submetidos à análise por cromatografia a gás com detectores de captura de elétrons (CG-DCE), fotométrico de chama (CG-DFC) e nitrogênio fósforo (CG-DNF), espectrometria de massa

(CG-MS) e cromatografia a líquido de alta eficiência (CLAE) com detectores ultravioleta (UV) visível e fluorescência. Os resultados evidenciaram o uso inadequado de agrotóxicos, sendo detectados produtos não autorizados como acefato, captana, clorfenapir, clorpirifós, dimetoato, ometoato, endossulfam, fenarimol, folpete, metamidofós, procloraz e tetradifona e os autorizados azoxistrobina, difenoconazol, fenpropatrina, iprodiona e procimidona. Isso indica que as boas práticas agrícolas não estão sendo cumpridas por alguns produtores e mostra a necessidade de fiscalização de alimentos processados, o que levaria à oferta de produtos de melhor qualidade.


Palavras-chave


AGROTÓXICOS; RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS; POLPA DE MORANGO; CROMATOGRAFIA.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/pes.v19i0.16553

Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente. ISSN:19839847