Existe fuga de cérebros no Estado de Minas Gerais?

Renata de Souza Santos, Evandro Camargos Teixeira, Gercione Dionizio Silva

Resumo


O objetivo desse trabalho é verificar a existência de fuga de cérebros do estado de Minas Gerais para outras unidades da federação brasileiras nos anos de 2005 e 2015, tendo como fonte as informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Para tal, foi utilizada a metodologia proposta por Becker, Ichino e Peri (2003), que consiste na criação de dois índices: um baseado na teoria do Capital Humano e outro nos indivíduos mais qualificados. Tal metodologia foi adaptada para analisar o fenômeno da fuga de cérebros interna brasileira, sendo realizada também a correção do viés de seletividade amostral na equação minceriana para cálculo do retorno educacional. Os resultados demonstram que o maior fluxo de emigrantes de Minas Gerais se direcionou para o estado de São Paulo, no entanto só foi constatada a existência de fuga de cérebros mineiros para o estado do Rio Grande do Sul.


Palavras-chave


Migração; Capital Humano; Desenvolvimento Econômico.

Texto completo:

Arquivo


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/re.v40i72.68092

Direitos autorais 2019 Revista de Economia

-----------------------------------------------------------

Revista de Economia
ISSN 0556-5782 | e-ISSN 2316-9397

Indexadores (Bases, diretórios e portais)
ARDI | Cite Factor | Diadorim | Dimensions | EZB | Genamics | Google Scholar | Journal 4-free | Latindex | LivRe | Open Air | Periódicos CAPES | ROAD | Socol@r | Sumários | World Wide Science