QUAL A TAXA POTENCIAL DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA? UMA ANÁLISE COM BASE NA CALIBRAGEM DE DOIS MODELOS TRADICIONAIS DE CRESCIMENTO ECONÔMICO

José Luís Oreiro, Breno Pascualote Lemos, Fabrício José Missio, Rodrigo Ayres Padilha

Resumo


Esta nota tem por objetivo apresentar algumas estimativas plausíveis, e fundamentadas na teoria do crescimento econômico, a respeito do valor da taxa potencial de crescimento da economia brasileira. Essas estimativas são baseadas em dois modelos tradicionais de crescimento econômico, a saber: o modelo Harrod-Domar e o modelo neoclássico de crescimento com capital humano e progresso técnico exógeno. Nesse contexto, as estimativas sobre a taxa potencial de crescimento são obtidas por intermédio da calibragem dos parâmetros dos modelos em consideração com base nos valores observados desses parâmetros na economia brasileira. A comparação entre os resultados obtidos nos dois modelos mostra que existe uma grande incerteza a respeito do valor da taxa potencial de crescimento. Com efeito, o exercício de calibragem conduzido com base no modelo Harrod- Domar aponta para um valor próximo a 2,5% ao ano para a taxa potencial de crescimento; ao passo que o exercício conduzido por intermédio do modelo neoclássico aponta para um valor de 4,6% ao ano. No entanto, a experiência brasileira durante as décadas de 1980 e 1990 parece ser mais compatível com as previsões do modelo Harrod-Domar do que com as previsões obtidas por intermédio do modelo neoclássico.

Palavras-chave


crescimento econômico; taxa de investimento; progresso tecnológico; economic growth; investment rate; technological progress

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/re.v31i2.5573

Direitos autorais

-----------------------------------------------------------

Revista de Economia
ISSN 0556-5782 | e-ISSN 2316-9397

Indexadores (Bases, diretórios e portais)
ARDI | Cite Factor | Diadorim | Dimensions | EZB | Genamics | Google Scholar | Journal 4-free | Latindex | LivRe | Open Air | Periódicos CAPES | ROAD | Socol@r | Sumários | World Wide Science