O xamanismo na era de sua reprodutibilidade técnica

Pedro Peixoto Ferreira

Resumo


Desde os anos 1990, Laymert Garcia dos Santos vem, não apenas articulando sinergias consistentes do
xamanismo yanomami com a arte contemporânea, como também reiteradamente colocando à prova a hipótese,
via de regra formulada nos termos de Gilbert Simondon, de que “o primeiro técnico é o pajé, o medicine man, [...] [o]
xamã”, que “traz para sua comunidade um elemento novo e insubstituível produzido num diálogo direto com o mundo,
um elemento escondido ou inacessível para a comunidade até então”. Proponho neste texto retomar alguns casos
etnograficamente documentados de “xamaquinismos” audiovisuais à luz da hipótese simondoniana reformulada por
Garcia dos Santos: se os xamãs são os primeiros técnicos, não seria pelo mesmo motivo que são também os primeiros
artistas?, i.e.: por operarem reticularmente, sobre nós de articulação entre realidades normalmente incompatíveis?;
por acessar, em bloco e de forma controlada, num aqui-agora singular, a presença de grandes potências normalmente
dispersas num alhures-outrora inacessível e incontrolável?


Palavras-chave


xamanismo; tecnologia; máquinas; ciborgue; perspectivismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v16i2.70262

Direitos autorais 2019 DoisPontos



 

Indexadores: Clase, Google Scholar, Dimension. Diretórios: Academic Journal Database (JSTOR), ROAD, Diretório Luso-Brasileiro. Portais: CAPES, ScienceOpen, World Wide Science.

Qualis Periódicos - Capes: A2

 

  Todo o conteúdo desta revista está licenciado sob a Licença Internacional Creative Commons 4.0 (CC BY 4.0)