Subjetivação e identidade: implicações do transindividual em Simondon

Maria Fernanda Novo

Resumo


O texto explora a maneira pela qual o transindividual em Individuação à luz das noções de forma e Informação
se compõe como saída para a combinação entre as fases do ser, do pré-individual à individuação psíquico coletiva.
Na tese de 1958, o transindividual se apresenta também como um tipo singular de intersecção que visa resolver a
composição entre o físico e o vital, e o singular e o coletivo. Aparece, com isso, a coexistência entre os dinamismos
que disparam individuações e que correspondem tanto à necessidade de repor o que garante a metaestabilidade,
quanto ao conjunto de relações transindividuais que sugerem uma revisão das noções de subjetivação e identidade.


Palavras-chave


Simondon; transindividual; metaestabilidade; identidade; coletivo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v16i2.70248

Direitos autorais 2019 DoisPontos



 

Indexadores: Clase, Google Scholar, Dimension. Diretórios: Academic Journal Database (JSTOR), ROAD, Diretório Luso-Brasileiro. Portais: CAPES, ScienceOpen, World Wide Science.

Qualis Periódicos - Capes: A2

 

  Todo o conteúdo desta revista está licenciado sob a Licença Internacional Creative Commons 4.0 (CC BY 4.0)