Pensando a arte após o fim da Arte: a autoria como processo

Pedro Dolabela

Resumo


Proposição do cruzamento entre a filosofia e a sociologia em suas abordagens-padrão do fenômeno artístico: a mediação da apreciação da obra acabada com a descrição do seu processo de produção, em seu condicionamento material e institucional. Sob o referencial teórico e metodológico dos estudos da complexidade (e suas noções de sistema e agência individual), investigam-se as implicações daquele cruzamento sobre conceitos clássicos da tradição estética, como os de “obra”, “autoria”, “autonomia” e “inovação”. A contrapelo da estética romântica, discute-se o resgate de elementos da filosofia da arte de Hume, com a revalorização de noções de “hábito” e “padrão de gosto”, aqui colocadas em convívio com conceitos de “rede”, “processo”, “jogo” e “negociação”. Análise dos novos tipos de narrativização suscitados por esses conceitos para os processos de composição, circulação, juízo e tradicionalização da produção artística.

Palavras-chave


Arte e autonomia; Autoria e inovação; Processos sistêmicos; Sistemas adaptativos complexos; Epistemologia da estética; Filosofia da arte de Hume.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v15i2.62700

Indexado por: CLASE. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades