O Galo e a Coruja - a propósito de Para a Critica da Filosofia do Direito de Hegel (Introdução ) (1844), de Marx, e de algumas dificuldades originárias do projeto marxiano

Ruy Fausto

Resumo


O presente artigo – que se ocupa de um dos textos que Marx publicou em 1844, nos Anais Franco-alemães – é, em primeiro lugar (mas não só) uma análise de forma, que tem como objeto tanto a ordem de razões como a estrutura do texto de Marx – duas coisas que aqui se distinguem – como também certa contradição interna, que nele se manifesta, entre o projeto e a sua realização. O artigo dos Anais... está centrado nos problemas da revolução (da revolução na Alemanha, particularmente) e da filosofia (em particular, no da realização da filosofia, a qual seria ao mesmo tempo a sua  “negação“). Esses temas, no centro dos quais está a noção de “critica“, são, no presente texto, objeto de um desenvolvimento tanto regressivo como progressivo, desenvolvimento que vai ao encontro, respectivamente, do pensamento de Feuerbach, no século XIX (com suas referências ao século XVIII), e dos frankfurtianos, no século XX. O que conduz, finalmente, a um balanço e a uma avaliação tanto do artigo dos Anais...  como do projeto marxiano em geral, iluminada pela experiência de mais de um século e meio de história.

Palavras-chave


crítica, revolução, filosofia, emancipação, prática, teoria, Alemanha, França

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v13i1.44443

Direitos autorais 2016 DoisPontos



 

Indexadores: AmeliCA, Clase, Dimension, Google Scholar. Diretórios: Academic Journal Database (JSTOR), Diadorim, Diretório Luso-Brasileiro, DOAJ, ROAD. Portais: CAPES, ScienceOpen, World Wide Science.

Qualis Periódicos - Capes: A2

 

  Todo o conteúdo desta revista está licenciado sob a Licença Internacional Creative Commons 4.0 (CC BY 4.0)