A Indústria 4.0 e a inovação aberta em aceleradoras de startups

Selma Leticia Capinzaiki Ottonicar, Marta Lígia Pomim Valentim

Resumo


Introdução: As startups são organizações que emergem em um contexto de tecnologias de informação e comunicação. No início de sua fundação, as startups podem contar com aceleradoras que as subsidiam, por meio de consultoria sobre como desenvolver o plano de negócios, conectam as startups com os parceiros e buscam investimentos financeiros para que possam se desenvolver. Nessa perspectiva, as aceleradoras de startups desenvolvem processos de inovação aberta com vários stakeholders, visando compartilhar informação e conhecimento. Algumas startups começaram a oferecer produtos e serviços de inteligência artificial e internet das coisas. Tais produtos conectados fazem parte do que se denomina ‘Quarta Revolução Industrial’, também conhecida como Indústria 4.0. Nesse cenário, esta pesquisa objetiva debater aspectos sobre as temáticas inovação aberta, aceleradoras, startups e Indústria 4.0, demonstrando que são elementos inter-relacionados e fundamentais para a competitividade das startups. Método: o trabalho tem como método a pesquisa bibliográfica. Resultados: Os resultados e discussões evidenciam que as startups atuam em um ambiente colaborativo porque necessitam do compartilhamento de conhecimento para desenvolver o plano de negócios, tomar decisões, buscar investimentos, resolver problemas e enfrentar os desafios do mercado, uma vez que são organizações de alto risco. Conclusão: O relacionamento com a política local, associações empresariais, institutos de pesquisa, universidades, investidores e parceiros contribui para a construção de conhecimento e a obtenção de vantagem competitiva das startups que fazem parte do contexto da Indústria 4.0.

Palavras-chave


Indústria 4.0; Inovação Aberta; Startups; Aceleradoras de Startups; Compartilhamento de Informação e Conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, P. R. M., & Campos, N. M. (2016). O panorama das aceleradoras de startups no Brasil, São Paulo: FGV. Recuperado de: https://www.researchgate.net/profile/Newton_Campos/publication/309414113_O_Panorama_das_Aceleradoras_de_Startups_no_Brasil_2016/links/580f52a408aee15d4911e7e7/O-Panorama-das-Aceleradoras-de-Startups-no-Brasil-2016.pdf.

Almada-Lobo, F. (2015). The Industry 4.0 revolution and the future of Manufacturing Execution Systems (MES). Journal of Innovation Management, 3(4), 16-21. Recuperado de: https://journalsojs3.fe.up.pt/index.php/jim/article/view/2183-0606_003.004_0003

Arcentales, J. J. G.; Sena, P. M. B.; Araujo, N. C. (2021). O papel das aceleradoras para o desenvolvimento das startups e do empreendedorismo no Brasil. AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento, 10(3), 1-10. doi: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v10i3.80186.

Associação Brasileira de Internet Industrial – ABII. (2018). Recuperado de: https://www.abii.com.br/.

Associação Brasileira De Startups – Ace Startups. (2019). Feita por Startups para startups. Recuperado de: https://abstartups.com.br/sobre-a-abstartups/.

Báez, E. A. S., Schenatto, F. J. A. (2017). Innovation and competitiveness of the business clusters in Paraguay: evidence of their limitations. Dirección y Organización, 63, 65-73.

Bigarelli, B. (2018, Agosto 10). As 10 aceleradoras que mais produzem startups de sucesso. Época Negócios | Empreendedorismo. Recuperado de https://epocanegocios.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2018/08/10-aceleradoras-que-mais-produzem-startups-de-sucesso.html.

Bitzer V., & Bijman, J. (2015). From innovation to co-innovation? An exploration of African agrifood chains", British Food Journal, 117(8), 2182-2199.

Bondarik, R., Carvalho, H. P., & Pilatti, L. A. (2005). História empresarial: uma ferramenta para a gestão do conhecimento nas organizações empresariais. Anais do IX Simpósio Internacional Processo Civilizador: tecnologia e civilização, 1, 1-8. Anais [...]. Ponta Grossa, Paraná, 1, 1-8. Recuperado de: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/workshop/art17.pdf

Bueno, J. L. P. (2005). O empreendedorismo como superação do estado de alienação do trabalhador (Tese Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Cabanelas, P., Omil, J. C., & Vázquez, X. H. (2013). A methodology for the construction of dynamic capabilities in industrial networks: The role of border agents. Industrial Marketing Management, 42(6), 992–1003.

Carey, D., Lester, J., & Luong, I. (2016). Augmenter la productivité en favorisant le dynamisme des petites entreprises au Canada. Documents de travail du Département des Affaires économiques de l'OCDE, 1314, Éditions OCDE, Paris.

Cohen, S. (2013). What Do Accelerators Do? Insights from Incubators and Angels. Innovations, 4(3/4).

Costa, E. J. M. (2014). Políticas públicas e o desenvolvimento de arranjos produtivos locais em regiões periféricas. Inclusão Social, 7(2), 30-47.

Dalla Costa, A. J. (2004). História e historiografia empresarial: acesso e utilização de arquivos e fontes. In A. J. Dalla Costa & M. E. de C. Graf. Estratégias de desenvolvimento urbano e regional (pp. 121-141). (Orgs.). Curitiba: Juruá.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Guerra, O., & Teixeira, F. (2010). A sobrevivência das pequenas empresas no desenvolvimento capitalista. Revista de Economia Política, 30(1), 124-139.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2016). Pesquisa em Inovação PIINTEC. Recuperado de: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=299007.

Jasperneite, I. J. (2012, Dezembro 5). Was hinter Begriffen wie Industrie 4.0 steckt. Computer & Automation. Recuperado de: http://www.computer-automation.de/steuerungsebene/steuern-regeln/artikel/93559/0/.

Júdice, L. P., Nybo, E. F. (2016). Direito das Startups (22a ed.) Curitiba: Juruá.

Kagermann, H., Wahlster, W., & J. Helbig, J. (2013). Recommendations for implementing the strategic initiative Industrie 4.0: Final report of the Industrie 4.0 Working Group. Recuperado de: https://www.din.de/blob/76902/e8cac883f42bf28536e7e8165993f1fd/recommendations-for-implementing-industry-4-0-data.pdf

Maffia, L. L. M. et al. (2018). Premissas e benefícios do modelo de gestão colaborativo em startups. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(1). ISSN: 2319-0639

Mauri, G. D. N., de Lima, J. G., Chévez Pozo, O. V., & de Freitas, R. R. (2017). Startups no agronegócio brasileiro: uma revisão sobre as potencialidades do setor. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 3(1), 107–121. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/v3n1_10

Leite, L. C.; Belluzzo, R. C. B. (2021). Inteligência competitiva e competência em informação em startups. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, 17, 1-22. Recuperado de: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1654/1295.

Marshall, A. (1920). Principles of economics. London: MacMillan.

Mudambi, R., Mudambi, S. M., Mukherjee, D., & Scalera, V. G. (2017). Global connectivity and the evolution of industrial clusters: From tires to polymers in Northeast Ohio. Industrial Marketing Management, 61, 20–29. doi: 10.1016/J.INDMARMAN.2016.07.007

Nagamatsu, F. A., Barbosa, J., & Rebecchi, J. (2013). Business model generation e as contribuições na abertura de startups. Anais do II Simpósio Internacional de Gestão de Projetos (II Sinpep) e Simpósio Internacional de Inovação e Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.uninove.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/556/659-1192-1RV%20-%20business%20model%20generation.pdf?sequence=1

Organisation for Economic Co-Operation and Development (OECD). (2005). Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data (3th ed). The Measurement of Scientific and Technological Activities, OECD Publishing, Paris. Recuperado de: https://doi.org/10.1787/9789264013100-en.

Organisation For Economic Co-Operation and Development (OECD). (2016). G20 Innovation Report: Report prepared for the G20 Science, Technology and Innovation Ministers Meeting.

Ottonicar, S. L. C. (2020). Competitive intelligence and information literacy in the context of startups industry 4.0: interdisciplinary possibilities for business management and information science (Ph.D. Thesis in Information Science), Marília, SP, Brazil. Recuperado de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/193555

Ottonicar, S. L. C., Souza, L. P. P., & Valentim, M. L. P. (2021). A competência em informação no contexto das startups. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, 17, 1-21. Recuperado de: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1505/1246

Pereira, A., & Simonetto, E. de O. (2018). Indústria 4.0: conceitos e perspectivas para o Brasil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 16(1). doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i1

Salama, B. (2018). Estruturas jurídicas de investimento em startups: private equitye venture capital (Monografia de Graduação). Programa de LLM em Direito Societário do Insper, São Paulo, SP, Brasil.

Santaella, L., Gala, A., Policarpo, C., & Gazoni, R. (2013). Desvelando a Internet das Coisas. Revista GEMInIS, 2(1), 19 – 32.

Scheffer, J., Cario, S., Enderle, R. A. (2006). Tratamento teórico-analítico sobre empresas de pequeno porte organizadas na forma de aglomeração produtiva localizada. Textos de Economia, 9(2), 49–77.

Sena, P. M. B., Vianna, W. B., & Blattmann, U. (2019). Aproximações conceituais entre informação, tecnologia e inovação no contexto das startups. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 17, e019002. doi: https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8653356

Sena, P. M. B. (2020) Fontes de informação no ecossistema de

startups de Florianópolis (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de: http://tede.ufsc.br/teses/PCIN0226-T.pdf.

Serviço Brasileiro de Apoio Ao Empreendedor (SEBRAE. (2019). Incubadora e aceleradora: qual a diferença entre elas? Recuperado de: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-a-diferenca-entre-incubadora-e-aceleradora,761913074c0a3410VgnVCM1000003b74010aRCRD

Zachary, G. P. A (2012). Geografia Global da Inovação. E-Journal: Wall Street Journal, nov. Recuperado de: http://www.embaixada-americana.org.br/HTML/ijse1109p/zachary.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v10i3.81882

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada