Leituras em torno do problema da subjetividade: Bergson, James e Merleau-Ponty

Pablo Enrique Abraham Zunino

Resumo


O objetivo deste artigo é especificar uma noção de subjetividade que marca a reflexão filosófica contemporânea e para a qual convergem as leituras de Bergson, William James e Merleau-Ponty. Para desenvolver o trabalho, definimos primeiramente o projeto filosófico de Bergson, que parte da duração psicológica (subjetividade) em direção à metafísica do elã vital, sustentado por uma teoria pragmática do conhecimento e pela aplicação rigorosa do método da intuição aos desenvolvimentos científicos da sua época, notadamente no campo da psicologia e da biologia. Essa filosofia, apesar do seu dinamismo interno, mantém uma coerência teórica ao longo de toda sua transformação, o que permite estabelecer um diálogo com duas correntes de pensamento que se desenvolveram paralelamente no início do século XX: o pragmatismo e a fenomenologia. Assim, podemos estabelecer alguns vínculos entre as leituras que fazem James e Merleau-Ponty da obra de Bergson, assinalando ao mesmo tempo algumas influências, aproximações e distanciamentos conceituais relacionados com o tema da subjetividade e com o problema da passagem entre a consciência humana e o mundo, sem reduzir uma região do ser à outra, nem operar saltos epistemológicos entre as dimensões do espírito e da natureza. Mas esse diálogo não se limita às especulações no terreno da metafísica, senão que encontra uma aplicação atual nas descobertas da neurociência, sobretudo no que diz respeito ao funcionamento do cérebro humano.

Palavras-chave


subjetividade; Bergson; William James; Merleau-Ponty

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v14i2.52321