Sobre o uso do conceito de sublimação e suas derivações, a partir da perspectiva estética marcuseana

Sergio Augusto Franco Fernandes

Resumo


Levando em conta a obra Eros e Civilização. Uma interpretação filosófica do pensamento de Freud (1955), onde Herbert Marcuse enfatiza o possível papel libertador da arte, constata-se, pois, uma tentativa de aproximação das teses de Marx – sobre a exploração pelo trabalho – com as de Freud – encontradas em O mal-estar na civilização. Seu intuito, com base em tal aproximação, é apresentar as bases de uma modificação cultural e estética da civilização industrial, definindo a função da arte na sociedade moderna. Para Marcuse, isto, por si só, justifica o sentido da sua empreitada: desenvolver o projeto de uma cultura não repressiva, que permita aos homens reatarem com uma ideia “correta” de felicidade. Para tanto, se faz necessário a compreensão do conceito de sublimação, assim como suas derivações, a saber, o conceito de auto-sublimação e dessublimação repressiva, objetos da investigação ora proposta.


Palavras-chave


Arte; auto-sublimação; dessublimação repressiva; Freud; Marcuse; sublimação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v13i3.47239