Vida, instinto e libido na obra de Merleau-Ponty

Silvana Souza Ramos

Resumo


Primeiro, mostramos que a ordem humana, descrita n’A estrutura do comportamento e fundamentada na Fenomenologia da percepção, aparece como uma superação dialética do comportamento vital, de modo que a existência humana ultrapassa a monotonia do instinto, ensejando a abertura ao simbólico. Segundo, discutimos como a concepção de vida – surgida nos anos 1950, especialmente nos cursos sobre a instituição e a passividade, e desdobrada nos cursos sobre o conceito de Natureza – permite descrever o instinto segundo a noção de Stiftung. Nestes termos, a vida deixa de ser remetida à monotonia instintiva e passa a ser compreendida segundo o modelo expressivo de temporalidade. Por fim, discutimos como esse movimento aproxima vida e subjetividade, sugerindo problemas concernentes ao papel da libido. Pois, a partir do momento em que o simbólico se institui no seio do comportamento instintivo, como é ainda possível assegurar a especificidade da libido humana perante a expressividade do comportamento biológico?

Palavras-chave


Merleau-Ponty; fenomenologia; vida; instinto; libido; simbólico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v13i3.45359