INFLUÊNCIA DA CORRELAÇÃO TEMPORAL E DA MULTIPLICIDADE DE TESTES NA DETECÇÃO DE TENDÊNCIAS DE ÍNDICES DE CHUVA NO TERRITÓRIO BRASILEIRO

Saulo Aires de Souza, Renato Souza Amorim, Dirceu Silveira Reis

Resumo


Dados diários de precipitação registrados em 2481 estações pluviométricas, com pelo menos 30 anos e espalhadas pelo território brasileiro, foram empregados para ilustrar como a presença de correlação temporal nas séries e o método empregado no controle do erro tipo 1, quando se realiza um conjunto de testes de hipóteses de forma simultânea numa região (multiplicidade), afetam os resultados de detecção de tendência monotônica. Apesar de conhecidos, esses fatores são frequentemente negligenciados em estudos dessa natureza, especialmente no Brasil. O objetivo é chamar a atenção da comunidade científica para esses fatores. Para lidar com a correlação temporal foram empregados os métodos Pre-Whitening e Trend-Free Pre-Whitening, enquanto que para a questão da multiplicidade, foi utilizado o controle baseado no False Discovery Rate (FDR). Os resultados mostraram que tanto a correlação temporal, quanto a questão da multiplicidade, se não forem consideradas na análise de detecção, podem distorcer de forma considerável o número de resultados identificados com presença de tendência, levando a uma interpretação equivocada da situação. Negligenciar esses fatores resulta sempre numa superestimativa do número de estações com tendência devido ao número elevado de falsas detecções, o que pode gerar decisões equivocadas na alocação de investimentos em estratégias de adaptação.

Palavras-chave


detecção de tendência; correlação temporal; análise regional; taxa de detecções falsas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v26i0.68124

Direitos autorais 2020 Saulo Aires de Souza, Renato Souza Amorim, Dirceu Silveira Reis