CLIMA URBANO E SAÚDE: ELEMENTOS CLIMÁTICOS E DOENÇAS RESPIRATÓRIAS OBSERVADAS NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE (MG) ENTRE 2013 E 2014

Denise Marques Sales, Wellington Lopes Assis, Braulio Magalhães Fonseca

Resumo


No município de Belo Horizonte (MG) são registrados todos os anos um número elevado de ocorrência de doenças respiratórias, constituindo em uma das principais causas de internação no Sistema Único de Saúde. Diante desse cenário, este estudo teve como objetivo identificar a relação entre os elementos climáticos e a ocorrência de doenças respiratórias na capital mineira. Para atingir o objetivo proposto, foram utilizados registros mensais de cinco estações meteorológicas pertencentes à Fundação Estadual do Meio Ambiente e de quatro estações meteorológicas do Instituto Nacional de Meteorologia, localizadas dentro do município e/ou próximas ao limite municipal. Foram analisados dados sobre a temperatura do ar, umidade relativa, precipitação, particulados (PM10) e monóxido de carbono para os anos de 2013 e 2014. Os sistemas atmosféricos atuantes no período foram identificados utilizando-se cartas sinóticas, disponibilizadas pela Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha do Brasil, e imagens de satélite, disponíveis na página do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. As informações relacionadas às doenças respiratórias foram disponibilizadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Nesse banco de dados consta o número de atendimentos em unidades de saúde pública registradas com o Código Internacional de Doenças (CID) 10, de J00 a J99, para os sexos feminino e masculino de crianças de 0 a 5 anos. A interpolação, a análise multicritério e espacialização dos dados foram feitas no software ArcGis 10.3 e em planilha eletrônica do Microsoft Excel. Os resultados mostraram tendências sazonais nos picos de atendimentos nas unidades de saúde, principalmente para o mês de abril. A partir desse mês o volume diário de precipitação é reduzido e verifica-se um aumento gradativo na quantidade de particulados e CO na atmosfera belo-horizontina. É um período em que são registradas elevadas amplitudes térmicas diárias em função da participação de sistemas atmosféricos estáveis, principalmente do Anticiclone Subtropical do Atlântico Sul e da Massa Polar Atlântica. Existem evidencias de que as crianças sofrem mais nessas condições de tempo meteorológico, aumentando os riscos a infecções por vírus e bactérias no sistema respiratório.


Palavras-chave


Elementos Climáticos; Ambiente Urbano; Doenças Respiratórias

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v1i0.61035

Direitos autorais 2018 Denise Marques Sales, Wellington Lopes Assis, Braulio Magalhães Fonseca