DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E DENSIDADE POR ÁREA (KM²) DO TOTAL DE REGISTROS DE IMPACTOS HIDROMETEOROLÓGICOS OCORRIDOS NAS ESTAÇÕES CHUVOSAS 2010-11 E 2011-12, EM BELO HORIZONTE – MG

Taíza Pinho Barroso Lucas, Maria Giovana Parizzi, Magda Luzimar Abreu

Resumo


O objetivo deste trabalho é apresentar a distribuição espacial e densidade por área (km²) dos eventos de enchentes e/ou inundações ocorridos no município de Belo Horizonte – MG, nas estações chuvosas de 2010-11 e 2011-12, durante eventos de chuvas classificados pela gênese atmosférica, a partir do escalonamento entre a escala regional às características topoclimáticas do sítio urbano. Os dados de impactos pluviométricos, que se repercutem no espaço urbano como grandes transtornos à população causando sérios danos econômicos e (i)materiais, foram identificados através da planilha de registros de ocorrências de enchentes e/ou inundações e alagamentos da COMDEC-PBH (Coordenadoria de Defesa Civil da Prefeitura de Belo Horizonte), entre o período de outubro de 2010 a abril de 2012. Os impactos foram contabilizados pelo somatório de registros na mesma coordenada e data. Todos os endereços postais da planilha foram georreferenciados a partir da identificação das respectivas coordenadas geográficas, em LAT/LONG, no software Google Earth e transformadas em coordenadas UTM através da calculadora geográfica. Devido ao DATUM utilizado pelo Google Earth, os mapas de localização dos impactos foram georreferenciados em WGS-84. O total de registros foi dividido em 5 classes por quebra-natural, no software ArcGIS 10.1. Para entendimento da distribuição espacial do total de registros de ocorrências de impactos hidrometeorológicos no município de Belo Horizonte, foi calculada a densidade desses registros por área, em Km², a partir da aplicação da técnica de Kernel. Identificou-se que a distribuição do total mensal de registros de ocorrências de impactos hidrológicos segue praticamente o mesmo ritmo do total mensal de precipitação. Os registros de ocorrências de impactos hidrometeorológicos mostraram que a melhor correlação com dados de chuvas é dada pela intensidade máxima da chuva e que as áreas mais afetadas por esses impactos são oriundas do processo histórico de ocupação, conjugado as feições naturais da bacia hidrográfica e as diferentes tipologias dos cursos d’água.

O objetivo deste trabalho é apresentar a distribuição espacial e densidade por área (km²) dos eventos de enchentes e/ou inundações ocorridos no município de Belo Horizonte – MG, nas estações chuvosas de 2010-11 e 2011-12, durante eventos de chuvas classificados pela gênese atmosférica, a partir do escalonamento entre a escala regional às características topoclimáticas do sítio urbano. Os dados de impactos pluviométricos, que se repercutem no espaço urbano como grandes transtornos à população causando sérios danos econômicos e (i)materiais, foram identificados através da planilha de registros de ocorrências de enchentes e/ou inundações e alagamentos da COMDEC-PBH (Coordenadoria de Defesa Civil da Prefeitura de Belo Horizonte), entre o período de outubro de 2010 a abril de 2012. Os impactos foram contabilizados pelo somatório de registros na mesma coordenada e data. Todos os endereços postais da planilha foram georreferenciados a partir da identificação das respectivas coordenadas geográficas, em LAT/LONG, no software Google Earth e transformadas em coordenadas UTM através da calculadora geográfica. Devido ao DATUM utilizado pelo Google Earth, os mapas de localização dos impactos foram georreferenciados em WGS-84. O total de registros foi dividido em 5 classes por quebra-natural, no software ArcGIS 10.1. Para entendimento da distribuição espacial do total de registros de ocorrências de impactos hidrometeorológicos no município de Belo Horizonte, foi calculada a densidade desses registros por área, em Km², a partir da aplicação da técnica de Kernel. Identificou-se que a distribuição do total mensal de registros de ocorrências de impactos hidrológicos segue praticamente o mesmo ritmo do total mensal de precipitação. Os registros de ocorrências de impactos hidrometeorológicos mostraram que a melhor correlação com dados de chuvas é dada pela intensidade máxima da chuva e que as áreas mais afetadas por esses impactos são oriundas do processo histórico de ocupação, conjugado as feições naturais da bacia hidrográfica e as diferentes tipologias dos cursos d’água.


Palavras-chave


espacialização, impactos hidrometeorológicos, Belo Horizonte – MG.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v1i0.61030

Direitos autorais 2018 Taíza Pinho Barroso Lucas, Maria Giovana Parizzi, Magda Luzimar Abreu