CLASSIFICAÇÃO DE AMBIENTES TÉRMICAMENTE HOMOGÊNEOS PARA ESTUDOS DE CLIMA NA CAMADA DO DOSSEL URBANO – METODOLOGIA E APLICAÇÃO À CIDADE DE PELOTAS/RS

Erika COLLISCHONN, Gil Passos de MATTOS

Resumo


O “perímetro urbano” que, segundo a lei vigente no Brasil, é a linha que separa o urbano do rural, não representa esta distinção de modo satisfatório, já que interesses econômicos, políticos e tributários muitas vezes prevalecem na sua demarcação. Além disso, o espraiamento do fenômeno urbano tornou mais indefinido o limite entre o "urbano" e o "rural" e também mais difícil de ser percebido, exigindo novos recortes espaciais intermediários mais condizentes com esta nova realidade, também para a investigação de ilhas de calor. Neste trabalho, avaliamos na literatura sobre clima urbano, propostas de classificação de unidades climáticas homogêneas do ponto de vista das características térmicas do ar próximo à superfície, justificamos porque escolhemos a proposta de Steward e Oke (2009), adaptamos esta classificação para que se tornasse aplicável ao perímetro urbano de Pelotas/RS e, finalmente, apresentamos o processo de identificação das potenciais Unidades climáticas diferenciadas no perímetro urbano desta cidade, a partir de imagem de satélite de alta resolução espacial num sistema de informações geográficas.

Palavras-chave


Perímetro urbano; Unidades climáticas; Sensoriamento remoto

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v9i0.27515

Direitos autorais