MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE DAS VERTENTES NATURAIS ANTE A OCORRENCIA DE ESCORREGAMENTOS TRANSLACIONAIS EM UM TRECHO DA BR- 376, ATRAVÉS DA ANÁLISE DO FATOR DE SEGURANÇA, PR.

YULIMAR SUGEY MILLÁN COY YULIMAR MILLÁN, ALBERTO PIO ALBERTO PIO FIORI

Resumo


Uma grande variedade de métodos vem sendo propostos para compreender e avaliar a suscetibilidade das vertentes ante a ocorrência de escorregamentos translacionais, entre eles, os métodos determinísticos baseados em modelos matemáticos são muito utilizados. O modelo matemático empregado nesta pesquisa teve seu foco na aplicação dos métodos determinísticos com base na teoria do equilíbrio limite para o cálculo do Fator de Segurança (Fs) e espacialização dos resultados empregando técnicas de geoprocessamento. O uso destas técnicas é de grande importância na identificação de áreas suscetíveis a escorregamentos, já que permitem a integração de uma grande variadade de informações da paissagem, tais como a topografia, declividade, parâmetros físicos e mecânicos dos solos, entre outros, auxiliando na elaboração de mapas de suscetibilidade local de interesse. A área de pesquisa está localizada em uma porção Paranaense do Primeiro Planalto de Curitiba, ao longo da rodovia federal BR-376 entre o quilômetro 658+820 m e o quilômetro 660+690, onde são observadas uma grande quantidade de movimentações e cicatrizes de escorregamentos nas vertentes naturais. Várias dessas movimentações ocorreram após eventos pluviométricos muito fortes que atingiram a região no mês de março do 2011, com precipitações acumuladas mensal maior a 700 mm, os quais ocasionaram perjuizos e a interrupção do trafego no trecho da BR-376. A validação do modelo empregado foi feita através do cruzamento do inventário de escorregamentos realizado com os mapas de Fator de Segurança (Fs), obtendo-se uma boa correspondencia na localização das áreas com maior suscetibilidade ante a ocorrência de escorregamentos translacionais.

Palavras-chave


Teoria de equilibrio límite , modelos matemáticos, geoprocessamento

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v75i0.46519

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR