APLICABILIDADE DO ARMAZENAMENTO UTILIZAÇÃO E INFILTRAÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS NA DRENAGEM URBANA

ROBERTO FENDRICH

Resumo



A água, como os demais recursos da biosfera, é
escassa e seu uso racional compreende tanto a preservação
como a conservação da quantidade e da qualidade.
A Lei n. 943.J/97, que institui a Política Nacional de
Recursos Hídricos, define que a água é um bem de domínio
público, constituindo um recurso natural limitado,
dotado de valor econômico. A idéia da aplicabilidade dos
sistemas de coleta, armazenamento, utilização e infiltração
das águas pluviais, instalados em todos os tipos de
construções em todos os quarteirões, é um instrumento
extremamente importante no controle do balanço
hidrológico, como medida corretiva e mitigadora do impacto
causado ao ciclo da água local, pelas atividades
humanas, nas áreas urbanas da bacias hidrográficas, com
crescentes taxas de impermeabilização dos solos. Essa
idéia foi decorrente do aumento significativo dos níveis
de água máximos das enchentes urbanas na cidade de
Curitiba, especificamente, as que ocorrem na bacia
hidrográfica urbana do rio Belém. Para demonstrar a necessidade
premente de promover a detenção das águas
pluviais, para retardamento do escoamento superficial e
abatimento dos níveis de água máximos das enchentes
urbanas e ainda, recarga das águas subterrâneas da bacia
hidrográfica urbana do rio Belém, foram quantificadas,
mapeadas e tabuladas todas as áreas permeáveis e impermeáveis
da bacia. Utilizando técnicas de classificação
digital de imagens do sensoriamento remoto, datadas
de 1988, 1996 e 1999, as quais, em função dos censos
do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE
e das previsões populacionais futuras, determinam-se
a taxas de impermeabilização dos solos da bacia,
para um período de 200 anos, compreendido entre 1820,
ano do 1° censo, e 2020, ano em que será atingida a
taxa de impermeabilização máxima dos solos da bacia.
Discretizando a área total de A = 87,85 km 2 , da bacia
hidrográfica urbana do rio Belém, para a seção transversal de controle, na Estação Fluviográfica Curitiba Prado
Velho, com 42 km2 de área de drenagem, foram selecionados,
no período de 1987 a 2001, 25 eventos pluvio-fluviométricos
críticos, que propiciaram o estabelecimento
das correlações entre as principais variáveis hidrológicas
da bacia. Dos 25 eventos selecionados, destacou-se a
chuva convectiva ("de verão") ocorrida em 21 fev.1999,
com tempo de recorrência Tr = 33,5 anos, que fundamentou
a determinação da relação que representaria a
"diminuição da impermeabilização real" dos solos bacia,
que para o ano de 2020, atingirá o seu valor máximo.
Porém essa diminuição é praticamente, impossível de
ser feita e foi denominada de relação de "permeabilidade
artificial" dos solos da bacia "Rp". Com o valor da relação
de "permeabilidade artificial" dos solos da bacia, foi determinada
a chuva a ser armazenada na bacia do rio
Belém e, conseqüentemente, o volume necessário de
reservação das águas pluviais, por unidade de área de
coleta (telhado), tanto para as áreas da bacia com solos
das litologias Formação Guabirotuba e dos sedimentos
recentes como nas áreas dos solos da Litologia
Embasamento Cristalino, que possuem boa capacidade
de infiltração no solo saturado, por conseqüência, reservatórios
com volume 25% menores do que nas duas outras
litologias. Desenvolveu-se projeto completo de um
sistema de coleta, armazenamento, utilização e infiltração
das águas pluviais, numa casa unifamiliar, com 51
m 2 de área de coleta (telhado) das águas pluviais,
dimensionando a partir do aproveitamento de 85% da precipitação
anual média de 1.511,2 mm, observada na Estação
Pluviomérica Curitiba Prado Velho, com uma série
histórica de 19 anos (1982 - 2000). A partir dos critérios e
parâmetros estabelecidos, determinaram-se os volumes
dos reservatórios de autolimpeza e do armazenamento,
as utilizações externas e interna das águas pluviais feitas
por quatro pessoas de uma família, a infiltração dos excessos, e as economias mensal e anual médias, incidentes
na tarifa de água potável e esgotos sanitários,
pela substituição por águas pluviais, orçamentação e o
período de reembolso no sistema inovador. Com os mesmos
critérios e parâmetros utilizados na casa unifamiliar
com Ac = 51 m 2 , os resultados foram extrapolados para
quatro casos práticos. Uma casa unifamiliar com cinco
moradores e área de coleta das águas pluviais Ac = 110
m 2 , um condomínio vertical multifamiliar com 43 habitantes
e Ac = = 245 m 2 e, dois consumidores comerciais,
num hipermercado com Ac = 12.000 m 2 e num shopping
center com Ac = 6.164,46 m 2 , concluindo-se que a economia
da água potável, pela substituição por águas pluviais,
está diretamente ligada ao tamanho da superfície de
coleta. A detenção das águas pluviais do sistema viário
público, distribuída em todos os logradouros públicos das
bacias hidrográficas dos rios Ivo e Pilarzinho, tributários
do rio Belém, conduziram a mudança do conceito da
detenção concentrada das águas pluviais num único reservatório,
denominado popularmente de "piscinão",
devendo tal conceito ser totalmente revisto quando se
tratar de áreas intensamente urbanizadas e ocupadas,
pela absoluta falta de espaço físico para sua construção.
Com relação à detenção distribuída das águas pluviais
pelos sistemas de coleta, armazenamento, utilização
e infiltração, assim como pelos reservatórios de
detenção em todos os logradouros públicos, espera-se
que as recomendações elencadas sejam implementadas
no município de Curitiba, pelos profissionais e técnicos
responsáveis pela sua drenagem urbana, que se assinale
o conceito inovador, a fim de que os níveis de água
máximos das enchentes urbanas comecem a diminuir,
assim como ocorra a recarga dos seus aqüíferos,
objetivando a preservação dos seus recursos hídricos,
trazendo melhorias na qualidade de vida da população
de Curitiba e da sua Região Metropolitana.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v52i0.4216

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR