INTEGRAÇÃO DE DADOS EXPLORATÓRIOS MULTIFONTE EM AMBIENTE SIG, APLICADA À PROSPECÇÃO DE OURO NA FOLHA BOTUVERÁ-SC

LUIZ FORNAZZARI NETO

Resumo



A pesquisa realizada envolveu a integração de dados
exploratórios de fontes diversas, na região da Folha
Botuverá-SC, escala 1:50.000, limitada pelas coordenadas
27 o 00' e 27 o 15' de latitude sul e 49 o 00' e 49 o 15' de
longitude oeste, com enfoque prospectivo para ouro. O
contexto geológico desta região é marcado por rochas
metamórficas do complexo Brusque intrudidas por corpos
granitóides de natureza sin a tardi-tectônicos de
quimismo dominantemente metaluminoso a peraluminoso,
calcialcalinos a alcalinos, conhecidos como Valsungana
e Guabiruba. Esta área encerra as mais importantes ocorrências
de ouro da região leste catarinense, com destaque
aos filões de quartzo do Morro do Carneiro Branco -
MCB, ao qual se deu mais ênfase, Ribeirão das Águas
Cristalinas e Tigrano, cujo entendimento genético e
metalogenético ainda carece de estudos, apesar da sugestiva
relação com os corpos granitóides e um importante
controle estrutural por zonas de cisalhamento. Os
dados disponíveis, mapa geológico e carta metalogenética
da Folha Botuverá, Projeto Aerogeofísico Serra do Mar
Sul, incluindo magnetometria e gamaespectrometria,
geoquímica de sedimentos de corrente, concentrados de
bateia e de rocha do Projeto Brusque-Botuverá, além de
dados geológicos e geoquímicos de projetos realizados
por empresas de mineração que atuaram na região, formaram
uma base de dados digital georreferenciada, a
qual foi processada e integrada através de ferramentas
disponíveis nos programas AutoCad 14, ArcView 3.0a,
Er-Mapper 6.1 e Geosoft 4.5. Priorizando-se os dados
gamaespectrométricos, foram determinadas as respostas
aéreas de K, Th e U e suas relações (razões Th/K, U/
Th e U/K, Parâmetro F=K*U/Th, além de potássio e urânio
normalizados pelo tório), nas ocorrências conhecidas,
onde foi possível caracterizar suas assinaturas
radiométricas e sugerir novos alvos exploratórios. Na área
do MCB foi realizado um levantamento gamaes-pectrométrico
terrestre que permitiu determinar sua assinatura,
revelada por elevados valores do parâmetro F e
baixas razões Th/K. Análise de seções delgadas de
amostras dos granitóides e milonitos da zona de
cisalhamento que encerra os veios mineralizados do MCB,
demonstraram uma alteração hidrotermal fílica caracterizada
por uma intensa sericitização e muscovitização.
Estes resultados, integrados em ambiente SIG aos demais
dados geofísicos, geoquímicos e geológicos, possibilitaram
propor três novos alvos exploratórios na Folha
Botuverá. Uma caracterização estrutural efetuada através
de lineamentos magnéticos, do satélite Landsat/TM5 e
morfoestruturas derivadas do modelo digital de terreno,
permitiu sugerir que as ocorrências do MCB, Braço da
Cristalina, Tigrano, Três Barras e Russo estão associadas
a zonas de cisalhamento dextrais, contidas em uma
megaestrutura sigmoidal, possivelmente associada à terceira
fase de deformação regional.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4195

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR