CRITÉRIOS DE EXPLORAÇÃO DOS METADOLOMITOS DA REGIÃO DE MORRO GRANDE, COLOMBO-PR

ROSSANO BILL LOPES DE SIQUEIRA

Resumo



Apesar da grande utilidade do calcário e das gran-des
reservas que o estado possui deste bem mineral, ele
é explorado preferencialmente para aplicações que possuem,
baixo valor agregado. No Paraná, as rochas
calcárias de idade Mesoproterozóica existentes na Região
Metropolitana de Curitiba são as rochas mais importantes
em distribuição geográfica quanto ao aproveitamento
econômico. O presente trabalho consistiu na
verificação e discussão dos principais critérios de exploração
utilizados pelas empresas de mineração na Formação
Capirú, seqüências litológicas Morro Grande e
Rio Branco na região de Morro Grande, no limite entre os
municípios de Colombo e Rio Branco do Sul, através do
estudo e compreensão das formas de lavra e pesquisa
adotadas pelas empresas de mineração, e assim contribuir
para uma melhor utilização desse calcário e com
isso elevar o grau de conhecimento prospeccional, visto
que o desconhecimento das reservas e qualidades da
matéria-prima é a causa imediata da falta de investimentos
estratégicos no setor. Os principais litotipos na área
de estudo são: metadolomitos, filitos e quarzitos representativos
de uma seqüência plataformal carbonática e
metamorfisados em baixo grau. Neste trabalho foram
analisados critérios de exploração relacionados aos sistemas
deposicionais, que mostraram a preferência das
grandes empresas de mineração pela Seqüência
Litológica Morro Grande (SLMG), embora represente uma
estreita faixa metadolomítica em relação à Seqüência
Litológica Rio Branco (SLRB). De acordo com as principais
características a SLMG é representativa de zona de
supramaré, com metadolomitos de granulação fina, intercalações
de níveis cinza-claro e cinza-escuro e cama-das
com grandes espessuras enquanto a SLRB apresenta metadolomitos de granulação fina a média,
estratificação cruzada e camadas pouco espessas, representativa
de zona de inframaré. A partir da elaboração
de colunas litoestratigráficas, pôde-se determinar
as características de cada litotipo e a possível relação
entre eles do ponto de vista de exploração. A utilização
da análise petrográfica e colorimétrica foi igualmente
eficiente, pois permitiu distinguir as seqüências
litológicas pela sua granulação, textura, % de insolúveis
e a distinção entre calcita e dolomita em secões
delgadas. Através da análise química, pôde-se determinar
os litotipos com maiores teores de insolúveis, visto
que estes prejudicam a qualidade do material explotado,
e, desta forma selecionar os níveis mais indicados do
ponto de vista econômico. A partir da
gamaespectrometria terrestre, pôde-se separar as duas
seqüências litológicas e as possíveis zonas de falhas,
através dos diferentes padrões de assinaturas dos
radioelementos potássio (K), urânio (U), tório (Th) e contagem
total (CT). Os aspectos geológicos-geomorfológicos,
através da elaboração do mapa
clinográfico indicaram que as faixas com as mais elevadas
cotas altimétricas (correspondentes aos litotipos
da SLMG) apresentam também as encostas com maiores
declividades e menores espessuras de tálus, sendo
a seqüência litológica com maior concentração de pedreiras
em termos de volume e material explotado. Já a
análise dos dados estruturais permitiu determinar que a
Sinforme de Morro Grande teve uma influência importante
para a exploração, pois este grande dobramento
criou maior inclinação das camadas e elevou-as tornando-as mais expostas, apesar de não existir um controle
quanto às alturas das bancadas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4194

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR