A GEOQUÍMICA MULTIELEMENTAR NA GESTÃO AMBIENTAL. IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROVÍNCIAS GEOQUÍMICAS NATURAIS, ALTERAÇÕES ANTRÓPICAS DA PAISAGEM, ÁREAS FAVORÁVEIS À PROSPECÇÃO MINERAL E REGIÕES DE RISCO PARA A SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, BRASIL

OTAVIO AUGUSTO BONI LICHT

Resumo



As respostas geoquímicas do ambiente são controladas,
em primeiro lugar, pelos processos naturais, geológicos,
pedológicos, climáticos e biológicos. Superpondo-se a essa
herança, a presença do homem adquire papel importante pelas
possibilidades de alteração que promove no ambiente
geoquímico a partir das concentrações urbanas, atividades
industriais e agrícolas. Na investigação dos relacionamentos
geográficos da distribuição de elementos químicos com as
feições naturais e as alterações antrópicas, a geoquímica
multielementar apresenta-se como um instrumento de grande
capacidade de discriminação. A coleta e a análise
multielementar da água e dos sedimentos ativos de fundo de
bacias hidrográficas de porte médio - 220 km2 - no Paraná,
com uma área de 200.000 km2 , propiciou a constituição de
uma base de dados geoquímicos para o estudo dos padrões
de distribuição dos elementos químicos. Outras variáveis numéricas
como a densidade populacional e as áreas plantadas
com algodão, café, batata e fumo, consideradas como capazes
de caracterizar e quantificar o impacto da ocupação humana,
foram agregadas à base de dados. Por outro lado, a
taxa de óbitos por câncer de fígado (óbitos/100.000 habitantes)
foi selecionada para testar a hipótese de ser um indicador
capaz de evidenciar o impacto dos resíduos de agrotóxicos
nos seres humanos. O mapa das províncias geológico-geomorfológicas,
o mapa geológico simplificado, o traçado dos
principais lineamentos estruturais e o contorno de anomalias
de magnetismo residual foram também utilizados para a identificação
de assinaturas geoquímicas características. Pela diversidade
de formatos vetoriais de cada tema - polígonos das
bacias hidrográficas, limites municipais e mapa geológico, linhas
dos lineamentos estruturais e anomalias magnéticas -
a base de dados geoquímicos, geológicos, socioeconômicos
e sanitários foi homogeneizada pela aplicação de equações
multiquádricas e com a técnica de geoprocessamento de
ponto-em-polígono. Dessa forma, os teores das variáveis numéricas
e os atributos das qualitativas foram homogeneizados e regularizados
numa malha composta por pontos espaçados de
aproximadamente 5.000 metros. Assim, assinaturas
geoquímicas características foram estabelecidas para descrever
diversas situações naturais ou antrópicas. Dentre elas, salientam-se as seguintes: as significativas diferenças entre as duas
direções principais dos lineamentos, estruturais, com as estruturas
de direção NE-SW representadas por uma grande
quantidade de elementos, o que reflete os processos de
granitogênese, de hidrotermalismo e de mineralização a eles
associados; a assinatura geoquímica das águas superficiais
associada às anomalias de magnetismo residual da região do
Norte Pioneiro, que reforça a hipótese da presença de corpos
ou de complexos alcalinos e/ou alcalino-carbonatíticos não
aflorantes; o mapa hidrogeoquímico do fluoreto subsidiou a
realização de estudos epidemiológicos que identificaram a ocorrência
de fluorose dentária grave nos moradores, em idade
escolar, da região do Norte Pioneiro; o estabelecimento de um
indicador de risco geoquímico para a saúde humana a partir
da robusta relação entre os teores de cloretos e brometos nas
águas e os municípios com as mais altas taxas de mortalidade
por câncer de fígado em seres humanos. Isto poderia indicar
o passivo ambiental herdado dos resíduos dos pesticidas
clorados e bromados empregados, por muitas décadas, nas
culturas de café e algodão do norte do Paraná; o impacto
das atividades garimpeiras, - que vem ocorrendo desde
1565 - na região litorânea, é perfeitamente caracterizado
pela abundância relativa de mercúrio e de ouro; o impacto
de atividades industriais de extração de carvão e seu aproveitamento
na geração de termoeletricidade é identificado
principalmente pelo sulfato nas águas e pelo cádmio nos
sedimentos de fundo, respectivamente. Sob o ponto de
vista da indústria mineral, algumas áreas relacionadas com
as rochas ígneas básicas da bacia do Paraná demonstraram
potencial para a exploração de metais preciosos, principalmente
Elementos do Grupo da Platina (EGP) e ouro.
Com a aplicação da análise fatorial sobre os dados
geoquímicos de águas e sedimentos ativos de drenagem,
o território do estado do Paraná foi compartimentado em
anomalias regionais e províncias estatística e
geoquimicamente homogêneas, refletindo os ambientes
naturais e o impacto da ação humana.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4185

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR