O ESTUDO DE CASO DA REGIÃO DE COXIM E DA BACIA DO TAQUARIZINHO-MS

ANTONIO CONCEIÇÃO PARANHOS FILHO

Resumo



O principal objetivo desta pesquisa é o desenvolvimento
de um método de trabalho de análise multitemporal,
para a avaliação das mudanças ambientais de áreas naturais,
ocorridas em um determinado período de tempo.
O trabalho foi desenvolvido sobre parte da bacia do Pantanal,
no estado do Mato Grosso do Sul, englobando a
área de Coxim (correspondente à folha Coxim, 1:250.000-
DSG, 1982b - Divisão do Serviço Geográfico do Exército).
Foram, ainda, utilizados os dados da Folha Camapuã
(1:250.000-DSG, 1982a). A análise multitemporal foi executada
em três diferentes momentos: 1966, 1985 e 1996.
Os dados de 1966, referentes ao uso dos solos e topografia,
foram obtidos da digitalização das cartas do DSG
(1:250.000-DSG, 1982 a, b). Os dados de uso e ocupação
dos solos 1985 e 1996 foram obtidos a partir da classificação
e análise de imagens Landsat TM. Descreve-se
ainda todo o processo de obtenção das informações
para a criação do banco de dados georreferenciado, utilizado
na análise multitemporal, desde a digitalização, classificação
da imagens, integração em ambiente SIG até a
interpretação final. Além disso, é apresentada uma
normatização para a digitalização de cartas, dispensando o uso da mesa digitalizadora. Os resultados foram
testados e utilizados na aplicação da Equação Universal
de Perdas dos Solos em uma área de teste dentro da
base de dados criada (Bacia do Rio Taquarizinho, próxima
a Rio Verde do Mato Grosso). Para o tipo de uso do
solo foi proposto o uso da legenda desenvolvida pelo projeto
Corine (Coordination on Environment – Heymann et
al. 1994) da União Européia, que, com as devidas modificações,
mostrou-se muito eficaz também no Brasil. Os
resultados mostram as mudanças no tipo de uso dos
solos, se transformando, principalmente, de sistemas
naturais a agropecuários, com conseqüências no aumento
da erosão laminar dos solos. As mudanças observadas
no tipo de uso do solo da área estudada são grandes. Na
década de 60, as matas e cerrados cobriam cerca de
89% da superfície representada pela Folha Coxim. Em
1985 este valor estava reduzido para 30%, alcançando
40% da superfície em 1996. Este desmatamento teve
sérias conseqüências para os solos. Com o uso da Equação
Universal de Perdas dos Solos, pode-se observar
que o desmatamento implicou num aumento de até mais
de 50 vezes na taxa de erosão laminar dos solos.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4178

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR