IMPACTOS AMBIENTAIS E PESQUISAS SÍSMICAS PARA HIDROCARBONETOS NA BACIA DO PARANÁ

JOÃO BOSCO S. MENDONÇA

Resumo



Este trabalho mostra a necessidade de incorporar
ao planejamento dos programas sísmicos 2D e 3D
estudos de riscos ambientais relativos à indução de movimentos
de massa, escorregamentos, aceleração da
erosão e seus subseqüentes assoreamentos. Aborda
diretamente o tema por meio de levantamento de campo,
análises e retroanálises, confecção de mapas a partir
de técnicas atuais ao tempo em que utiliza dados das
próprias equipes sísmicas, tendo como base uma área
situada no centro-sul do estado do Paraná, município
de Pinhão, com ocorrência de rochas vulcânicas e intermediárias
a ácidas, pertencentes à Formação Serra
Geral. Os resultados mostraram que as atividades das
equipes sísmicas, especialmente as detonações, podem
promover, incrementar ou alterar o nível da
suscetibilidade do meio físico aos riscos citados. As
principais áreas de risco às atividades das equipes são
indicadas na Carta de Suscetibilidade à Erosão e Movimentos
de Massa, as quais se relacionam aos seguintes
fenômenos: erosão e ruptura de blocos de rochas
em áreas de solos litólicos e cambissolos; erosão
por ravinamento, escorregamento de taludes em solos
mais desenvolvidos, onde houve a retirada da cobertura
vegetal em declividades maiores que 20%, predominantes
em basaltos; escorregamentos de taludes nas áreas
de colúvios; erosão/voçorocamento em áreas onde
houve desmatamento, atividades antrópicas concentradas
e elevação do nível de base local, entre outros. Finalmente,
são propostas medidas preventivas para os
eventos cadastrados, como: distâncias de segurança
do ponto de detonação ao local das ocorrências em função
das cargas, períodos do ano mais adequados para
execução de programas sísmicos em áreas suscetíveis
em função das precipitações, entre outros.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4177

Boletim Paranaense de Geociências. ISSN: 0067-964X
 
 
Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR