Open Journal Systems

CONHECIMENTO E USO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANCS)

Ana Paula CECATTO, Eduarda Mylena BOHM, Gustavo de Almeida STROHER, Jandriel CERRI, Letícia Loureiro GENTILE, Maria Vitória ROOS, Darciane Eliete KERKOFF, Cláudia Verdum VIÉGAS

Resumo


As Plantas Alimentícias não Convencionais (PANCS) são espécies vegetais que, apesar de não fazerem parte da dieta convencional, possuem potencial nutricional e funcional. Este artigo tem como objetivo analisar o grau de familiaridade dos membros das instituições de ensino com as PANCS, além de investigar suas vivências e perspectivas em relação a esse tema. A metodologia utilizada foi quantitativa e exploratória, com a coleta de dados realizada por meio de um questionário durante o componente curricular de Química Orgânica Experimental em uma instituição de ensino superior e em uma instituição de ensino fundamental e médio parceira da faculdade. A amostra foi escolhida por conveniência, e a análise dos dados foi realizada quantitativamente. A maioria dos participantes era do sexo feminino, com idade até 40 anos, estudantes da faculdade e com renda entre dois a quatro salários mínimos.  Uma parte significativa dos participantes não tinha conhecimento sobre o assunto, especialmente entre os mais jovens. Poucos participantes tinham conhecimento sobre o valor nutricional e terapêutico das PANCs. No entanto, a planta “Ora-pro-nóbis” foi a mais conhecida entre os participantes. A falta de conhecimento, o medo de toxicidade e o preconceito em relação ao sabor foram as principais razões mencionadas para evitar o consumo de PANCs. Conclui-se com o estudo que o conhecimento e o consumo de PANCs ainda são limitados, mas há um interesse crescente por parte dos participantes. A promoção do conhecimento sobre as PANCs, juntamente com a divulgação de seus benefícios nutricionais e terapêuticos, pode ser uma estratégia eficaz para aumentar seu consumo na alimentação, especialmente entre os mais jovens. As instituições de ensino desempenham um papel importante na promoção dessas plantas e na valorização da biodiversidade alimentar.


Palavras-chave


Alimentação saudável; Biodiversidade; Curricularização da extensão; Plantas alimentícias alternativas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/acd.v24i4.92793