Open Journal Systems

O USO DE MEDICAMENTOS POR IDOSOS

P. T. P. da S. PENTEADO, C. CUNICO, K. S. OLIVEIRA, M. O. POLICHUK

Resumo



Na área da saúde, a alteração nos padrões epidemiológicos estão associados ao envelhecimento
populacional demonstrado pela maior participação na mortalidade das doenças crônico
degenerativas (cardiovasculares, diabetes e neoplasmas), responsáveis pela maior freqüência
de internações hospitalares, consultas ambulatoriais, consumo de medicamentos e outros. Em
relação aosmedicamentos, os idosos chegama constituir 50% dosmultiusuários face a terapêutica
utilizada com o passar dos anos, devido o aumento da vulnerabilidade biológica inerente ao
envelhecimento O estudo resultou na identificação dos medicamentos utilizados por grupo de
idosos, com 60 e/ou mais anos de idade, obtidos de dados preliminares de inquérito domiciliar no
município de Curitiba. Os resultados mostraram grande número, variedade e freqüência de
medicamentos utilizados a partir da prescrição médica e/ou automedicação; como - antihipertensivos
e de ação cardiovascular(47,17%), analgésicos e antinflamatórios (37,73%), os
vitamínicos (32,07%), para distúrbiosmetabólicos, nutricionais e endócrinos (28,30%); para distúrbios
do aparelho digestivo (26,41%). A correlação destes resultados com os relatos das queixas e/ou
conhecimento pelos entrevistados do diagnóstico de suas enfermidades indicou a morbidade
referida do grupo em estudo, segundo CID 10; assim como a polifarmácia. O uso concomitante
de várias especialidades farmacêuticas e de diferentes terapias nem sempre foram associados à
recomendação e ao acompanhamento clínico, mas podem sugerir o aumento de problemas
pela farmacoterapia utilizada (reações adversas, interações, utilização errada, tratamento
inadequado, etc.) quando ainda ocorrem os agravos na saúde do idoso pelos processos
patológicos e/ou pelas mudanças fisiológicas próprias da idade.

THE MEDICINE USE FOR AGED

Abstract


In the health area, the alteration in the epidemiologists standards is associate to the population
aging. It is demonstrated by the largest participation of the chronic and degenerative illnesses
(diabetes, vascular disease and neoplasm) in the mortality. These illnesses are responsibles for the
great frequency of the hospital internment, clinic consultations, medicine consumption, and others.
In relation to medicines, the aged constitute 50 % of the multiusers due inherent biological
vulnerability in the aging. Preliminary dates of domicile inquest in Curitiba permitted identify the
medicines used by people with 60 and/or more years old. The results revealed great number,
variety and frequency ofmedicines. The medicines like anti-hypertensives and medicines to vascular
disease (47,17%), analgesics and anti-inflammatory (37,73%), vitamin (32,07%), medicines to
endocrine disease, to nutrition disease and metabolic disease (28,30%), medicine to digestive
disease (26,41%), are used from medical order and/or self-medication. The correlation of these
results with the complaints of the interviewed and/or their knowledge of the disease diagnostic
indicated the morbidity, according to CID 10, as well as polypharmacy. The concomitant use of
many specialyties pharmaceuticals and other therapies without clinical accompaniment or
recommendation can suggest increase in problems with pharmacological action (adverse reactions,
interactions, inadequate treatment). Furthermore, there are increase in the problems with aged
health due pathological processes and/or physiological changes of the aged.


Palavras-chave


idoso; medicamentos no idoso; automedicação; aged; medicines for aged; self-medication.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/acd.v3i1.498