Open Journal Systems

LEAF MICROSCOPIC CHARACTERS OF Maclura tinctoria (L.) D. DON EX STEUD., MORACEAE

M. R. DUARTE, J. B. GOMES, R. H. SANTOS, M. YANO

Resumo


Maclura tinctoria é uma árvore nativa com espinhos, dioica e latescente. Popularmente denominada amora-brava e taiúva, é empregada como adstringente, anti-inflamatória e analgésica. Estudos fitoquímicos e ensaios de atividades biológicas comprovaram a presença de compostos fenólicos, particularmente flavonoides, com ações antimicrobiana, antimalárica e anti-HIV. Em razão do escasso conhecimento sobre a morfologia dessa planta medicinal, este trabalho investigou a anatomia foliar de M. tinctoria, buscando subsidiar a identificação microscópica. Folhas plenamente desenvolvidas foram fixadas, seccionadas à mão livre e coradas com azul de astra e fucsina básica. Alternativamente, foram emblocadas em resina sintética, seccionadas em micrótomo e coradas com azul de toluidina. Testes microquímicos foram realizados para evidenciar a presença de compostos fenólicos e lipofílicos, bem como para caracterizar a natureza dos cristais de cálcio. A superfície foliar foi examinada por microscopia eletrônica de varredura. A folha apresenta tricomas tectores e glandulares capitados, principalmente na face abaxial e nas proximidades das nervuras. Ocorrem estômatos anomocíticos exclusivamente na superfície abaxial. A epiderme é unisseriada e possui litocistos, células que contêm cistólitos (cristais de carbonato de cálcio). Há mesofilo homogêneo em paliçada, feixes vasculares colaterais transcurrentes, cristais prismáticos e drusas de oxalato de cálcio. Em secção transversal, a nervura central é biconvexa e o pecíolo é aproximadamente circular. Ambos possuem vários feixes vasculares, do tipo colateral, lado a lado e tendendo ao arranjo cêntrico. Nas proximidades, encontram-se laticíferos, cujo conteúdo é fenólico e lipofílico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/acd.v13i4.30336