ANTICORPOS ANTI-Leptospira spp. E LEPTOSPIRÚRIA EM GATOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR-BRASIL

Carolina Trochmann Cordeiro, Simone Tostes de Oliveira, Rafael Felipe da Costa Vieira

Resumo


A leptospirose ainda é pouco elucidada em gatos e o papel da espécie na epidemiologia da doença é indeterminado. Os dados sobre a doença clínica nos mesmos são raros, no entanto, a resposta com anticorpos específicos após infecção é comprovada e apresenta valores de prevalência variando de 5,6 a 33%. Apesar da maior resistência da espécie, não se deve ignorar a possibilidade de transmissão, pois é comprovado que após infecção ou doença pode ocorrer eliminação do patógeno na urina. Neste estudo objetivou-se detectar leptospirúria por reação em cadeia da polimerase (PCR) e anticorpos contra L. interrogans com o uso de soroaglutinação microscópica (SAM) em gatos expostos a fatores associados a infecção na região metropolitana de Curitiba/PR. Foram coletadas amostras de sangue e urina de 65 gatos (13 de São José dos Pinhais e 52 de Pinhais), no período de agosto a novembro de 2016. Ao todo, três animais (4,6%) foram soropositivos para o sorovar Pomona, com títulos variando de 200 a 400. Das 65 amostras de urina, uma (1,53%) foi positiva na PCR. Sendo assim, podemos concluir que gatos da região metropolitana de Curitiba/PR expostos a fatores associados a infecção estão sucetíveis a se contaminarem com Leptospira spp. e podem apresentar leptospirúria. 


Palavras-chave


felinos; leptospirose; saúde pública; sorologia; zoonose

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v22i4.56651

Archives of Veterinary Science. ISSN: 1517-784X