CONDIÇÕES TÉRMICO-HÍDRICAS E PERCEPÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL EM QUINTAIS URBANOS DE ABAETETUBA, PARÁ, BRASIL

Gerciene de Jesus Miranda Lobato, Lucieta Guerreiro Martorano, Flávia Cristina Araújo Lucas, Ana Cláudia Caldeira Tavares-Martins, Mário Augusto Gonçalves Jardim

Resumo


A vegetação presente nos quintais contribui para o conforto ambiental e proporciona qualidade de vida às populações. O estudo objetivou avaliar a influência da vegetação nas condições térmico-hídricas e percepções de conforto em quintais no bairro Mutirão, Abaetetuba, Pará. Durante 24 dias, temperatura e umidade foram monitoradas com o auxílio de cinco sensores modelo Hobo®, instalados em quintais e em áreas com e sem vegetação. Aplicaram-se testes de Shapiro-Wilk, Tukey (5%) e calculou-se o Índice de Temperatura e Umidade (ITU). Para o ITU, estabeleceram-se dois cenários baseados nos prognósticos do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas e os resultados foram comparados com as percepções de conforto ambiental e bem estar dos moradores nos seus quintais. As temperaturas máximas (33,8°C) e mínimas (23,3°C) foram registradas em ambiente sem vegetação, confirmando o efeito de perda de energia para atmosfera em espaços abertos. Para umidade relativa do ar, os resultados foram estatisticamente diferentes, a exceção do Q3 (85,6%) e do Q5 (85,4%). Nas áreas com significativa presença de cobertura vegetal (Q1, Q2 e Q4) foram observadas maiores valores para umidade (88,9%; 90,0% e 91,8% respectivamente). Apesar dos dados do ITU sinalizarem níveis de desconforto nos quintais, para os moradores estes espaços representam os locais de maior agradabilidade ambiental. O quintal urbano deve ser foco de manutenção e conservação pelos moradores para atenuar efeitos de ilhas de calor na interface pavimentação-arborização.

Palavras-chave


Vegetação; Serviços ambientais; Área urbana; Amazônia

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v38i0.43705

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009