Acerca do enraizamento biológico e das modalidades da técnica em Bergson e Canguilhem

Rafael Henrique Teixeira

Resumo


Dentre as várias questões relativas ao vital que colocam em relação as obras de Bergson e Canguilhem a problemática organológica da técnica é das mais importantes. A inscrição da técnica humana na vida é fato admitido por ambos e Canguilhem reconhece à tese bergsoniana seu valor e primado histórico na filosofia francesa. Porém, a atitude bergsoniana não se desdobra para Canguilhem em orientação definitiva. Não apenas Canguilhem operará deslocamentos interiores ao argumento bergsoniano no que diz respeito à relação entre a fabricação de objetos artificiais e a ciência como, pela análise de uma técnica particular, a medicina, ele reconhecerá que ela prolonga na clínica uma tecnicidade que se encontra em germe na vida. Por fim, da filosofia biológica do maquinismo que Canguilhem encontra em Bergson o filósofo-médico retirará implicações práticas que vão muito além dos propósitos iniciais de L’Évolution créatrice.

Palavras-chave


vida; organologia; técnica; ciência; máquina; medicina

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v14i2.51716