Berkeley no país das Luzes: ceticismo e solipsismo no século XVIII

Sébastian Charles

Resumo



A influência do ceticismo nos século XVI e XVII é por demais evidente para ser
posta em questão. De Montaigne a Bayle, parece que o cético foi o promotor tanto de uma
refutação radical dos princípios metafísicos escolásticos e depois cartesianos quanto de
uma crítica feroz às autoridades religiosas e políticas. Ora, esse papel parece ter se
amenizado no Século das Luzes, ou melhor, se deslocado - somente as dimensões críticas
do social continuaram pertinentes. Pretende-se mostrar aqui o pressuposto de uma tal
leitura que leva em conta apenas o aspecto visível da crítica cética e mostrar que o ceticismo,
sob uma forma particular (o solipsismo), foi uma das grandes questões da epistemologia
das Luzes e que ele é indissociável, para ser compreendido em toda a sua dimensão
polêmica, da recepção européia do imaterialismo berkeleyano. O objetivo de nossa
intervenção se faz compreender então claramente: explicar primeiramente como uma tal
concepção epistemológica pôde nascer em terra cartesiana e quais foram os seus líderes
desse solipsismo das Luzes, a supor que os tenha havido, para mostrar, em seguida, porque
ela pôde se tornar uma questão metafísica maior no século XVIII, antes de definir, para
concluir, os interesses a que ela serviu ou desserviu.

Berkeley in the land of the Enlightenment: skepticism and solipsism in the XVIIIth century

Abstract


The influence of skepticism on the XVIth and XVIIth century is far too
evident to be questioned. From Montaigne to Bayle, the skeptic seems to have
been the furtherer both of a radical refutation of the metaphysical principles of
scholasticism and, later, of Cartesianism, and of a fierce critique of the political
and religious authority. Well, this role seems to be diminished, or displaced, in
the Enlightenment: only the critical dimensions on the social aspect continue to
be pertinent. We would like to show that the parti pris of such a consideration
only takes into account the visible aspect of the skeptical critique, and that the
skepticism, under a very particular form ( the solipsism), was one of the greatest
assets of the Enlightenment epistemology and that, in order to apprehend it thoroughly
in its polemical dimension, it is inseparable of the European reception of
the Berkeleys immaterialism. The aim of our intervention is easily understood: it is to
explain, firstly, how such a epistemological conception could have been born in the
land of Descartes and who were the leaders of this solipsism in the Enlightenment,
supposing that there were such people, and, secondly, why it could become a
major metaphysical asset in the XVIIIth century, before defining, as a conclusion,
the interests it has done service or disservice.


Palavras-chave


cartesianismo; imaterialismo; Luzes; materialismo; metafísica; ceticismo; solipsismo; cartesianism; immaterialism; Enlightenment; materialism; metaphysics; skepticism; solipsism

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v1i2.1928