Possibilidade de aproveitamento dos sedimentos de dragagem do porto de Paranaguá

José Augusto Simões Neto, Maria Cristina de Souza, Barbara Trzaskos, Rodolfo José Angulo, Marcell Leonard Besser

Resumo


As obras de dragagem do canal de acesso aos portos de Paranaguá e Antonina, no estado do Paraná, sul do Brasil, mobilizaram 23,5.106 m³ de sedimentos entre 2009 e 2015, totalizando investimentos em 365,8 milhões de reais. A partir da análise dos dados sedimentológicos fornecidos pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) e da revisão dos métodos de aproveitamento, avaliou-se as possibilidades de usos destes materiais dragados. Conclui-se que estes sedimentos apresentam características próprias para recuperação e alimentação de praias com problemas de erosão. O trecho de dragagem mais externo, localizado sobre o delta de maré vazante, denominado trecho Alfa, apresenta as melhores características quantitativas e qualitativas para este aproveitamento, com predomínio de areia grossa a fina e baixos ou ausentes teores de contaminantes. Foram identificados três setores da costa paranaense com problemas erosivos localizados próximos ao canal, que poderiam receber reposições artificiais de areia, correspondentes ao istmo da Ilha do Mel, a região da Fortaleza da mesma ilha e o trecho entre Pontal do Sul e a Ponta do Poço. Finalmente, observou-se que, embora atualmente os sedimentos dragados no Complexo Estuarino de Paranaguá sejam descartados seguindo padrões e imposições ambientais, não há indicações de usos benéficos para eles.


Palavras-chave


Canal da Galheta; erosão costeira; alimentação de praia

Texto completo:

PDF

Referências


Angulo R.J. 1992. Geologia da Planície Costeira do Estado do Paraná. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 334 p.

Angulo R.J. 1993. Variações na configuração da linha de costa no Paraná nas últimas quatro décadas. Boletim Paranaense de Geociências, 41:52-72.

Angulo R.J. 1999. Morphological characterization of the tidal deltas on the coast of the State of Paraná Anais Academia Brasileira de Ciências, 71(4-II):935-959.

Angulo R.J. Borzone C.A. Noernberg M.A. Quadros C.J.L. Souza M.C. Rosa L.C. 2016. The State of Paraná Beaches. In: Andrew D.S. Klein A.H.F. (Ed. 1). Brazilian beach Systems. Springer International Publishing AG, Switzerland, 419-464p.

Angulo R.J. Souza M.C. Müller M.E.J. Noernberg M.A. Soares C.R. Borzone C.A. Marone E. Quadros C.J.L. 2017. Erosão e acresção no litoral paranaense. In: Muehe D. (org.). Erosão e progradação do litoral brasileiro. 2ª edição revisada e atualizada. Editora MMA, Brasilia, 01-66: no prelo.

APPA Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina. 2015. Manutenção do Canal de Acesso, Bacia de Evolução e Berços do Cais Comercial do Porto de Paranaguá (Área Alfa, Bravo e Charlie) e Canal de Acesso ao Porto de Antonina (Áreas Delta). Relatório Técnico Final. Volume I. Paranaguá-PR.

Bigarella J. J. Becker R. D. Matos D. J. Werner A. 1978. A Serra do Mar e a porção oriental do Estado do Paraná... Um problema de segurança ambiental e nacional. Curitiba, Governo do Paraná/SEPL/ADEA. 249p.

BRASIL 2012. Resolução Conama Nº 454, de 01 de novembro de 2012. "Estabelece as diretrizes gerais e os procedimentos referenciais para o gerenciamento do material a ser dragado em águas sob jurisdição nacional.” Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 216, 08 nov. 2012. Seção 1, p. 66.

Camargo R. Harari J. 2003. Modeling the Paranagua Estuarine Complex, Brazil: tidal circulation and cotidal charts. Revista Brasileira de Oceanografia. v. 51(único). 23-31.

Figueiredo J.C. 1954. Contribuição à geografia da Ilha do Mel (Litoral do Estado do Paraná). Tese de Cátedra em Geografia do Brasil, Faculdade de Filosofia da Universidade do Paraná, Curitiba, 61 p.

Machado S.C. Ribeiro J.A. 2012. Dragagem e conflitos ambientais em portos clássicos e modernos: uma revisão. Sociedade e Natureza. n. 3, 519-534.

Mantovanelli 1999. A Caracterização da dinâmica hídrica e do material particulado em suspensão na Baía de Paranaguá e em sua bacia de drenagem. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Terra, Programa de Pós-Graduação em Geologia, Curitiba, 152p.

Marone E. Jamiyanaa D. 1997. Tidal characteristics and a variable boundary numerical model for the M2 tide for the estuarine complex of the Bay of Paranaguá, PR, Brazil. Nerítica, 11(1-2):95-107.

Morgenstern A. 2017. Porto de Paranaguá. Contribuição à História: Perídodo de 1948-1935. Coração do Brasil Editora. Volume I. Curitiba, Paraná. 3.442Kb. ePub.

Nemes D.D. 2011. Caracterização das ondas de superfície na plataforma interna do estado do Paraná. Dissertação de Mestrado, Centro de Estudos do Mar, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 134 p.

Noernberg M.A. Marone E. Angulo R.J. 2007. Coastal currents and sediment transport in Paranaguá estuary complex navigation channel. Boletim Paranaense de Geociências, 60–61:45–54.

Oliveira L.H.S. 2015. Morfologia e sedimentologia da plataforma continental interna paranaense. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Terra, Programa de Pós-graduação em Geologia, Curitiba, 86p.

Shepard F. P. 1954. Nomenclature based on sand-silt-clay ratios. Journal of Sedimentary Petrology, 24(3): 151-158.

U.S. EPA - Environmental Protection Agency. 1992, Guidelines for exposure assessment. Washington DC. EPA/600;Z-92/00. Disponível em: https://oaspub.epa.gov/eims/eimscomm.getfile?p_download_id=429103. Acessado em 15 de maio do 2017




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v8i2.54333

Quaternary Environmental Geosciences