Research on Technogene/Anthropocene in Brazil

Pedro França Junior, Carina Cristiane Korb, Christian Brannstrom

Resumo


This research aims to present a bibliographical review of the research related to the Technogene /Anthropocene in Brazil. The methodology consisted of bibliographic search in academic Google and in university library sites. The research was categorized according to environment and the geomorphological process: alluvial deposits and accelerated erosion; mining; dam siltation; urban and coastal environments. Of more than 200 publications pertinent to the theme, twenty-nine were selected to be synthesized. The research highlighted the heterogeneity of the knowledge that has already been produced on the Technogene / Anthropocene in Brazil. They corroborate the idea of humans as geological agents, but each study situates the geologic agency of humans in an environment with intrinsic geographic characteristics that provide the technogenic variations in the surface and sub-surface.


Palavras-chave


Technogene; Anthropocene; Research in Brazil

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’Saber A. N. 1969. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. Geomorfologia, São Paulo, n° 18, p. 1-23

Brannstrom C., Oliveira, A.M.S. 2000. Human modification of stream valleys in the western plateau of São Paulo, Brazil: Implications for environmental narratives and management. Land Degradation and Development 11(6): 535-48

Brannstrom C. 2010. “Forests for cotton: Institutions and organizations in Brazil’s mid-twentieth-century cotton boom,”Journal of Historical Geography 36(2): 169-82

Bertê A. M. A. 2001. Depósitos Tecnogênicos e Planejamento Urbano: o aterro sanitário da Zona Norte de Porto Alegre–RS/ Brasil. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 102p.

Chemekov Y. F. 1983. Technogenic deposits. In Inqua Congress .Vol. 11, No. 1983, p. 62.

Cunha B.C.C. 2000. Impactos socioambientais decorrentes da ocupação da planície do ribeirão Anicuns: o caso da Vila Roriz, Goiânia-GO. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Goiás, 272p.

Dantas M.E. 1995. Controles naturais e antropogênicos da estocagem diferencial de sedimentos fluviais. Bacia do rio Bananal-(SP/RJ), médio vale do rio Paraíba do Sul – RJ. Dissertação de Mestrado em Geografia, Pós-graduação em Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 142p.

Ellis E., Maslin M., Boivin N. Bauer A. 2016. Involve social scientists in defining the Anthropocene. Nature, v. 540, p. 192-193.

Estevam A. L. D. Santos E. A. Brito M. S. 2005. Depósitos tecnogênicos quinários no interior baiano: o caso da lavra de

sedimentos no Parque da Serra do Periperi- região sudoeste da Bahia. In: Congresso Brasileiro de Estudos do Quaternário, 10, Encontro Brasileiro do Tecnógeno, 1. Guarapari (ES). ABEQUA, 2005. CD Rom.5p.

Felds E. 1958. Geomorfologia Antropogenética. Boletim Geográfico N° 144. Rio de Janeiro, 16.

Figueira R. M. 1995. Evolução dos sistemas tecnogênicos no município de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Pós-graduação em Geologia Sedimentar. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, 127p.

França Júnior P. 2010. Análise do uso e ocupação da bacia do córrego Pinhalzinho II utilizando geoindicadores, Umuarama-PR, 1970-2009. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual de Maringá/PR. 90p.

França Júnior P. 2016. A aplicação da abordagem do Tecnógeno na identificação e classificação dos terrenos e depósitos tecnogênicos no ambiente urbano de Guarapuava-PR. Tese de Doutorado, Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista/Presidente Prudente-SP. 209p.

França Junior P., Souza M. L. 2014. Tecnógeno em ambientes fluviais: noroeste do Paraná, Brasil. Quaternary and Environmental Geosciences, 5(2).

Fugimoto A. 2001. Análise ambiental urbana na área metropolitana de Porto Alegre - RS: sub- bacia hidrográfica do arroio Dilúvio. Tese de Doutorado, Pós-graduação em Geografia, Departamento de Geografia. Universidade de São Paulo, 236p.

Godolphin M. F. 1976. Geologia do Holoceno Costeiro da área de Rio Grande- RS. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 164p.

Korb C.C. 2006. Identificação de Depósitos Tecnogênicos no Reservatório Santa Bárbara, Pelotas (RS). Dissertação de Mestrado, Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 164p.

Korb C. C., Suertegaray D. M. A. 2014. Identificação de depósitos tecnogênicos em um reservatório de abastecimento de água da cidade de Pelotas (RS). Quaternary and Environmental Geosciences, 5(1).

Lisboa T.H.C. 2004. Alteração da linha de costa do distrito sede Florianópolis (SC), em função de aterros. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, 87p.

Machado C. A. 2013. A pesquisa de depósitos tecnogênicos no Brasil e no mundo. Revista Tocantinense de Geografia, 2(2).

Mello E.V., Peixoto M.N., Silva T.M., Moura J.R. 2005. Evolução da rede de drenagem e transformações tecnogênicas nos canais fluviais em Volta Redonda-RJ- Médio vale do Paraíba do Sul. In: Congresso Brasileiro de Estudos do Quaternário, 10, Encontro Brasileiro do Tecnógeno, 1. Guarapari (ES). ABEQUA, 2005. CD Rom.

Mirandola F. A. 2008. Carta de risco de escorregamento em ambiente tecnogênico: o caso da favela Real Parque, São Paulo-SP. Dissertação de Mestrado, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). São Paulo. 217p.

Moura J.R., Mello C.L., Silva T.M. 1992. “Desequilíbrios ambientais” na evolução da paisagem: o Quaternário tardio no médio vale do rio Paraíba do Sul. In: Congresso Brasileiro de Geologia, 37. São Paulo, SBG. (Anais, pg. 309-310).

Muratori A.M. 1997. Os micro-desertos edáficos na neopaisagem da Região Noroeste do Estado do Paraná – Brasil, como registro de um novo período geológico (Quinário?). In: Revista RA’EGA O Espaço Geográfico em Análise, v. 1, n.1. p.133-142.

Nolasco M.C. 2002. Registros geológicos gerados pelo garimpo. Lavras Diamantinas (BA). Porto Alegre. Tese de Doutorado. Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 316p.

Neto J.S.C., Nolasco M.S., Rocha C.C. 2005. Alterações na dinâmica do conjunto de lagoas em Feira de Santana-BA, a partir de modificações antrópicas. In: Congresso Bras. De estudos do Quaternário. Guarapari- ES. 2005. Nir D. 1983. Man, a geomorphological agent: an introduction to anthropic geomorphology. Keper Publishing House, Jerusalem;

D. Reidel Publishing, Dordrecht, 175p.

Oliveira A. M., Peloggia A.U.G. 2014.The Anthropocene and the Technogene: stratigraphic temporal implications of the

geological action of humankind. Quaternary And Environmental Geosciences. v. 5, n. 2. p. 103-111.

Oliveira A. M., Brannstrom C., Nolasco M. C., Peloggia A. U. G., Peixoto M. N. O., Coltrinari L. 2005. Tecnógeno: registros da ação geológica do homem. In: Souza C. R. G., Suguio K.,Oliveira A. M. S., Oliveira P. E. (Ed.). Quaternário do Brasil. Holos Editora, 2005, 363-378.

Oliveira A. M. S. 2005. Estudos sobre o Tecnógeno no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Estudos do Quaternário,10., Encontro Brasileiro do Tecnógeno, 1. Guarapari - ES. ABEQUA, 2005. CD Rom.

Oliveira A. M. 1994. Depósitos tecnogênicos e assoreamento de reservatórios: exemplo do reservatório de Capivara, Rio Paranapanema, SP/PR. Tese de Doutorado, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. 211p.

Oliveira A. M. S., Queiroz Neto J.P. 1994. Depósitos tecnogênicos induzidos pela erosão acelerada no Planalto Ocidental Paulista. Boletim Paulista de Geografia nº 73, São Paulo, 1994.

Peloggia A. U. G. 1996. Delineação e aprofundamento temático da geologia do Tecnógeno do município de São Paulo: as consequências geológicas da ação do homem sobre a natureza e as determinações geológicas da ação humana em suas particularidades referentes à precária ocupação urbana. Tese de Doutorado, Pósgraduação em Geociências, Universidade de São Paulo, 162p.

Peloggia A. U. G. 1998. O homem e o ambiente geológico: geologia, sociedade e ocupação urbana no município de São Paulo. São Paulo, 1998: Xamã. 271p.

Peloggia A. U. G., Oliveira A. M. D. S. 2005. Tecnógeno: um novo campo de estudos das geociências. In: Congresso Brasileiro de Estudos do Quaternário,10., Encontro Brasileiro do Tecnógeno, 1. Guarapari - ES. ABEQUA, 2005. CD Rom.

Peloggia A. U. G., Silva É. C. N., Nunes J. O. R. 2014. Technogenic landforms: conceptual framework and application to geomorphologic mapping of artificial ground and landscapes as transformed by human geological action. Quaternary and Environmental Geosciences, 5(2).

Price S. J., Ford J. R., Cooper A. H., Neal C. 2011. Humans as major geological and geomorphological agents in the Anthropocene: the significance of artificial ground in Great Britain. Philosophical Transactions of the Royal Society of London A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, 369(1938), 1056-1084

Ribeiro M. C. R., Moura J.R.S., Salgado C.M.S. 1996. Caracterização pedológica de depósitos tecnogênicos no médio vale do rio Paraíba do Sul- região do Bananal (SP/RJ). In: Congresso Brasileiro de Geologia n° 39. Salvador-BA, 1996. p. 493-495.

Rossato M. S. 2000. Assoreamento e formação de depósitos tecnogênicos na barragem Lomba do Sabão, Porto Alegre e Viamão – RS. Trabalho de Conclusão de Curso, Graduação em Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 66p.

Silva E. C. N. 2012. Formação de depósitos Tecnogênicos e relações com o uso e ocupação do solo no perímetro urbano de Presidente Prudente-SP. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista/Presidente Prudente-SP. 183p.

Silva E. C. N., Dias M. B. G., Mathias D. T. 2014. A abordagem tecnogênica: reflexões teóricas e estudos de caso. Quaternary and Environmental Geosciences, 5(1).

Sobreira F. G., Lima H. M. 2005. Alterações paisasísticas pela extração do ouro do século XVIII no distrito de Passagem de Mariana-MG. In: Congresso Brasileiro de Estudos do Quaternário, 10, Encontro Brasileiro do Tecnógeno, 1. Guarapari (ES). ABEQUA, 2005. CD Rom.

Souza C. R. G., Suguio K., Oliveira A. M. S., Oliveira P. E. 2005. Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 378p.

Souza M. L., Zuquette L.V. 2001. A influência da ação antrópica na classificação dos matérias inconsolidados na cidade de Ouro Preto (MG). In: Revista Pesquisa em Geociências. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, p. 325-336.

Suertegaray D. M. A., Nunes J. O. R. (2015). A natureza da Geografia Física na Geografia. Terra Livre, 2(17), 11-24.

Telles R.M. 1999. Evolução Geomorfológica de rio Grande - RS: um confronto de dois tempos. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 8, 1999. p. 438-439.

Ter-Stepanian G. 1988. Beginning of the Technogene. Bulletin of the International Association of Engineering Geology-Bulletin de l’Association Internationale de Géologie de l’Ingénieur, 38(1), 133-142.

Tricart J. E. 1977. Rio de Janeiro: IBGE. Diretoria Técnica, SUPREN.

Vanoni V. A. (Ed.). 2006. Sedimentation engineering. American Society of Civil Engineers.

Viana A.M., Ramos R. C., Suertegaray D.M.A. 2000. Estudo preliminar do processo de assoreamento e formação de depósitos tecnogênicos: represa do IPH/ UFRGS. In SUERTEGARAY D.M.A., BASSO L.A., VERDUM R. (org.) Ambiente e lugar no urbano: a grande Porto Alegre. 1ed. Porto Alegre- RS, editora UFRGS, 2000. Pag.161-183.

Zalasiewicz J., Williams M., Smith A., Barry T.L., Coe A.L., Rawson P., Bown P.R., Cantrill D., Gale A., Gregory F.J., Hounslow M.W.,Kerr A., Pearson P., Knox R., Powell J., Waters C., Marshall J.,Oates M., Rawson P., Stone P. 2008. Are we now living in theAnthropocene? GSA Today 18(2): 4-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v9i1.52453

Quaternary Environmental Geosciences