Morfodinâmica, transporte e proveniência do sistema praia - duna frontal recente entre Itarema e Camocim, litoral oeste do Ceará

Daniel Rodrigues do Nascimento Junior, Lola Natalia Camesi Tossi, Viktor Ferreira de Oliveira, Bruno Brandão de Lucena

Resumo


O litoral oeste cearense entre Itarema e Camocim constitui-se num laboratório natural apropriado ao estudo recente da dinâmica sedimentar. A presença de obstáculos rochosos e hidrodinâmicos e a forte ação do vento efetivo permitem testar padrões de continuidade e inversão da deriva litorânea regional nas areias litorâneas. Este trabalho avaliou morfodinâmica, transporte e proveniência das areias do sistema praia - duna frontal através de estudo de campo, granulometria e petrografia de minerais pesados de amostras recentes coletadas na zona de espraiamento e nas cristas de dunas frontais incipientes no trecho mencionado. A diversidade morfológica do sistema aponta para o predomínio de esporões alongados segundo a deriva litorânea regional, a leste, e de praias anexadas sem interrupções com formas eólicas mais extensas, a oeste. Nas areias praiais, a granulometria para todo o intervalo (100 km) é concordante com deriva litorânea regional para oeste. Em trechos locais, ficou demonstrado que o bloqueio físico exercido pela descarga fluvial de grandes drenagens pode favorecer o transporte no sentido oposto. Nesses trechos, porém, as estatísticas da granulometria são frequentemente pobres, trazendo ressalvas à interpretação e ressaltando a necessidade de maior detalhamento espacial da amostragem. Os minerais pesados tem proveniência primária relacionada a rochas orto- e para-derivadas de alto grau em gnaisses migmatizados do Domínio Médio Coreaú, metatexitos da Unidade Canindé e migmatitos e paragnaisses da Unidade Independência, além de plutônicas do Maciço da Meruoca e corpos menores associados. O índice de proveniência (iRZ) indica diminuição da contribuição relativa das fontes metamórficas no sentido oeste. Já o índice de transporte (iTZ), que diminui no mesmo rumo, teria seu resultado influenciado pelo enriquecimento local renovado em zircão por desembocaduras de diferentes portes e/ou inversões locais na deriva litorânea.

Palavras-chave


morfodinâmica; transporte; proveniência; sistema praia - duna frontal; Ceará

Texto completo:

PDF

Referências


ANA - Agência Nacional de Águas 2016. Disponível em: http://www2.ana.gov.br/Paginas/default.aspx. Acessado em 2 de dezembro de 2016.

Almeida A.R., Parente C.V., Arthaud M.H. 2008. Mapa Geológico da Folha Itatira SB.24-V-B-V: nota explicativa integrada com Quixeramobim e Boa Viagem. Fortaleza, Convênio CPRM/UFC, 196p., escala 1:100.000.

Almeida N.M., Lehugeur L.G.O., Freire G.S.S., Santos D.M., Neto A.B.A. 2011. Assembleia de minerais pesados da Plataforma Continental – porção oeste do Estado do Ceará. Revista de Geologia 24(1): 21-27.

Arthaud M.H. 2007. Evolução neoproterozóica do grupo Ceará (Domínio Ceará Central, BE Brasil): da sedimentação à colisão continental brasiliana. Tese de doutorado. Pós-Graduação em Geologia, Universidade de Brasília, 170p.

Blatt H. 1967. Provenance determinations and recycling of sediments. Journal of Sedimentary Petrology, 37: 1031-1044.

Branco M.P.N.C., Lehugeur L.G.O., Campos J.E.G., Nogueira S.R.P. 2005. Morfodinâmica das praias arenosas à barlamar e à sotamar do promontório Ponta do Iguape – Estado do Ceará – Brasil. Revista de Geologia, 18(2): 215-229.

Cavalcante J.C., Vasconcelos A.M., Medeiros M.F., Paiva I.P., Gomes F.E.M., Cavalcante S.N., Cavalcante J.E., Melo A.C.R., Duarte Neto V.C. 2003. Mapa Geológico do Estado do Ceará. Fortaleza, Serviço Geológico do Brasil (CPRM), escala 1:500.000.

Cavalcante I.N., Gomes M.C.R. 2011. As águas subterrâneas do Ceará: ocorrências e potencialidades. In: Medeiros C.N., Gomes D.D.M., Albuquerque E.L.S., Cruz M.L.B. (orgs.) Os recursos hídricos do Ceará: integração, gestão e potencialidades. Editora Ipece, Fortaleza, 165-199p.

Claudino-Sales V., Peulvast J. P. 2004. Barreiras e flechas litorâneas no Estado do Ceará. RECIFE: Anais do XIX Simpósio da ABEQUA, CD-ROM.

COGERH - Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado do Ceará 2010. Plano de Gerenciamento das Águas da Bacia do Coreaú – Síntese do Relatório Final. Disponível em: http://www.ceara.gov.br/?secretaria=COGERH&endereco=http://portal.cogerh.com.br/. Acessado em 2 de dezembro de 2016.

Complexo Portuário do Pecém (CPP). 2001. Medições de correntes, salinidade e temperatura na área marítima do Pecém. Associação Téc. Cient. Engo. Paulo de Frontin, Universidade Federal do Ceará (Fortaleza). Relatório Interno, 157p.

Dean R.G. 1973. Heuristic models of sand transport in the surf zone. In: Proceedings of the Conference on Engineering Dynamics in the Surf Zone, Sydney, 208-214p.

Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN). 2003. Disponível em: http://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-previsao-mare/tabuas/. Acessado em 11 de maio de 2017.

Folk R.L. 1968. Petrology of sedimentary rocks. The University of Texas, Austin, 170 p.

Fujimori S., Ferreira Y.A. 1979. Introdução ao uso do microscópio petrográfico. Editora da UFBA, Salvador, 240p.

Galehouse J.S. 1971. Point counting. In: Carver R.E. (org.) Procedures in Sedimentary Petrology. Wiley-Interscience, New York, 385-407p.

Giannini P.C.F., Machado J.A., Santos E.R. 2003. Propriedades granulométricas no sistema praia-duna ao longo da costa noroeste portuguesa, de Porto a Nazaré. In: IX Congresso da ABEQUA, Recife, 1 CD-ROM.

Gonçalves R.S.B. 2006. Estudo geofísico do arcabouço estrutural da Bacia Jaibaras – CE. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado em Geologia, Departamento de Geologia, Universidade Federal do Ceará, 54p.

Guedes C.C.F., Giannini P.C.F., Nascimento Jr. D.R., Sawakuchi A.O., Tanaka A.P.B., Rossi M.G. 2011. Controls on heavy minerals and grain size in a Holocene regressive barrier (Ilha Comprida, Southeastern Brazil). Journal of South American Earth Sciences, 31: 110-123.

Hesp P.A. 2000. Coastal sand dunes. Form and function. CDNV Technical Bulletin No. 4. Massey University, 28 p.

Hesp P.A., Maia L.P., Claudino-Sales V. 2009. The Holocene barriers of Maranhão, Piauí and Ceará States, Northeastern Brazil. In: Dillenburg S.R., Hesp P.A. (eds.) Geology and geomorphology of Holocene coastal barriers of Brazil. Springer-Verlag, Berlim, 390p.

Hoefel F.G. 1998. Morfodinâmica de Praias Arenosas Oceânicas – Uma Revisão Bibliográfica. Editora da Univale, Itajaí, 92p.

Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) 2017. Disponível em: www.inmet.gov.br/. Acessado em 11 de maio de 2017.

Kerr P.F. 1959. Optical mineralogy. McGraw Hill, New York, 372p.

Lima L.C., Morais J.O., Souza M.J.N. 2000. Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Editora Funece, Fortaleza, 268p.

Magini C., Gomes D.F., Veríssimo C.U.V., Freire G.S.S., Paiva Neto A.O. 2007. Avaliação Ambiental da Praia do Futuro, Município de Fortaleza, Ceará. Revista de Geologia, 1: 20-32.

Maia L.P. 1998. Procesos costeros y balance sedimentario a lo largo de Fortaleza (NE-Brasil): Implicaciones pra una gestión adecuada del litoral. Barcelona: Tesis Doctoral, Universidad de Barcelona, 269p.

Maia P., Nascimento P., Junior A.P. 2003. Parabéns Guarapari, 112 anos de emancipação política. Jornal A Gazeta (Caderno Especial), 3-15p.

Mange M.A., Maurer H.F.W. 1992. Heavy minerals in colour. Chapman & Hall, London, 147 p.

Mcgregor G.R., Nieuwolt S. 1998. Tropical Climatology - An Introduction to the climates of the low latitudes, Wiley, New York, 339p.

Mclaren P., Bowles D. 1985. The effects of sediment transport on grain-size distributions. Journal of Sedimentary Petrology, 55(4): 457-470.

Morais J.O., Souza J.V. 1971. Transporte e sedimentação de dunas no município de Fortaleza (Ceará – Brasil). Estudos Sedimentológicos, 1(1): 73-81.

Morton A.C., Hallsworth C.R. 1994. Identifying provenance-specific features of detrital heavy mineral assemblages in sandstones. Sedimentary Geology, 90(1): 241-256.

Muehe D. 1996. Geomorfologia Costeira. In: Cunha S.B., Guerra A.J.T. (eds.) Geomorfologia – Exercícios, Técnicas e Aplicações. Editora Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 191-233p.

Nascimento Jr. D.R. 2004. Dinâmica e sedimentação da Praia da Areia Preta (Guarapari – ES). Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado em Geologia, Departamento de Geociências, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Trabalho de Conclusão de Curso (inéd.), 113p.

Nascimento Jr. D.R. 2006. Morfologia e sedimentologia ao longo do sistema praia - duna frontal de Ilha Comprida. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geociências, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, 136p.

Nascimento Jr. D.R., Tanaka A.P.B., Giannini P.C.F., Guedes C.C.F. 2005. Morfologia e granulometria ao longo do sistema praia - duna frontal da Ilha Comprida, SP. In: X Congresso da ABEQUA, Guarapari, 1 CD-ROM.

Nascimento Jr. D.R., Giannini P.C.F., Tanaka A.P.B., Guedes, C.C.F. 2008. Mudanças morfológicas da extremidade NE da Ilha Comprida (SP) nos últimos dois séculos. Geologia USP Série Científica, 8(1): 25-39.

Nascimento Jr. D.R., Aguiar V.A.P., Giannini P.C.F. 2011. Minerais pesados das areias praiais de Guarapari (ES): distribuição, proveniência e fatores de risco à saúde. In: XIII Congresso da ABEQUA, Búzios, 1 CD-ROM.

Nascimento F.S., Freire G.S.S., Miola B. 2009. Caracterização geoquímica dos granulados marinhos da plataforma continental do Nordeste do Brasil. Revista de Geologia, 22(1): 15-26.

Nimer E. 1979. Climatologia do Brasil. IBGE – Série Recursos Naturais e Meio Ambiente, Rio de Janeiro, 421p.

Parente C.V., Botelho N.F., Santos R.V., Garcia M.G.M., Oliveira C. G., Veríssimo, C.U.V. 2011. Contexto geológico, tipológico e geoquímico isotópico das brechas hidrotermalizadas de ferro e cobre tipo IOCG, associadas a bacia Eo-Paleozóica Jaibaras, da Província Borborema, Brasil. In: Frantz J.C., Marques J., Jost H. (orgs.) Contribuições à metalogenia do Brasil. UFRGS, Porto Alegre, 175-198p.

Pettijohn F.J. 1975. Sedimentary Rocks. Harper & Row, New York, 628p.

Pettijohn F.J., Potter P.E., Siever R. 1987. Sand and Sandstone. Springer-Verlag Inc., New York, 553p.

Sawakuchi A.O., Kalchgruber R., Giannini P.C.F., Nascimento Jr. D.R., Guedes C.C.F., Umisedo N.K. 2008. The development of blowouts and foredunes in the Ilha Comprida barrier (Southeastern Brazil): the influence of Late Holocene climate changes on coastal sedimentation. Quaternary Science Reviews, 27: 2076-2090.

Sial A.N., Figueiredo M.C.H., Long L.E. 1981. Rare-earth element geochemistry of the Meruoca and Mucambo Plutons, Ceará, Northeast Brazil. Chemical Geology, 31: 271-283.

Sucupira P.A.P., Pinheiro L.S., Rosa M.F. 2006. Caracterização Morfométrica do Médio e Baixo Curso do Rio Acaraú, Ceará, Brasil. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia, Goiânia, 1-10p.

Suguio K. 1980. Rochas Sedimentares - Propriedades, Gênese e Importância Econômica. 4a. reimp. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda., 500 p.

Trögger W.E. 1979. Optical determination of rock-forming minerals, part 1: determination tables. Schweizerbart’sche Verlagsbuchhandlung, Stuttgart, 188p.

Vaz P.T, Rezende N.G.A.M, Wanderley J.R., Travassos A.S. 2007. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da Petrobras, 15(2): 253-263.

Vidal R.M.B., Becker H., Freire G.S.S. 2008. Geoquímica de sedimentos da plataforma continental do Estado do Ceará – Brasil. Revista de Geologia, 21(2): 223-232.

Wentworth C.A. 1922. A scale of grade and class terms for clastic sediments. Journal of Geology, 30: 377-392.

Wright L.D., Short A.D. 1984. Morphodynamic variability of surf zones and beaches: a synthesis. Marine Geology, 56: 93-118




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v8i1.51075

Quaternary Environmental Geosciences