Vulnerabilidade das praias do Estado de Santa Catarina a eventos de erosão e inundação costeira: proposta metodológica baseada em um índice multicritério

Mirela Barros Serafim, Jarbas Bonetti

Resumo


A zona costeira do Estado de Santa Catarina (SC) encontra-se submetida a condições oceanográficas e meteorológicas transicionais. A passagem regular de frentes frias e a incidência de ventos de relativa intensidade condicionam a ocorrência de marés de tempestade (ondas extremas associadas a marés meteorológicas de grande amplitude), as quais podem resultar em eventos de inundação e erosão praial, causando danos materiais aos assentamentos costeiros. As praias arenosas são os ambientes predominantes ao longo da linha de costa de SC e possuem elevado valor social e econômico devido à variedade de serviços prestados e à alta densidade demográfica dos setores adjacentes. Desta forma, o estudo da vulnerabilidade costeira torna-se de grande relevância para fins de ordenamento da ocupação e estabelecimento de planos de mitigação para essas áreas. Este trabalho apresenta uma proposta metodológica para o mapeamento da vulnerabilidade costeira de SC frente a eventos extremos de ondas e marés a partir da elaboração de um índice multicritério aplicado através de um Sistema de Informações Geográficas. A vulnerabilidade foi obtida pela integração de dois submodelos: suscetibilidade (composto por variáveis do meio físico) e capacidade adaptativa (composto por variáveis socioeconômicas). Os maiores valores de vulnerabilidade foram encontrados em trechos centrais dos setores Norte e Centro-Norte e em segmentos isolados no setor Centro. Os fatores socioeconômicos apresentaram alta relevância para os grandes balneários do setor Centro-Norte (como os dos municípios de Balneário Camboriú, Itapema e Navegantes) onde, no geral, os graus de vulnerabilidade foram inferiores aos de suscetibilidade devido à alta capacidade adaptativa local. Por outro lado, os setores Sul e Centro-Sul, embora tenham apresentado capacidade adaptativa relativamente baixa, foram os menos vulneráveis, indicando que o cenário de baixa suscetibilidade foi mais condicionante nestas áreas.

Palavras-chave


suscetibilidade costeira; capacidade adaptativa; marés de tempestade; análise espacial

Texto completo:

PDF

Referências


Abuodha P. A., Woodroffe C. D. 2010a. Vulnerability assessment. In: GREEN D. (ed.) Coastal zone management. Thomas Telford Limited, London, 262-290p.

Abuodha P. A., Woodroffe, C. D. 2010b. Assessing vulnerability to sea-level rise using a coastal sensitivity index: a case study from southeast Australia. Journal of Coastal Conservation, 14:189-205.

Ayoade J. O. 1996. Introdução à climatologia para os trópicos. 4ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 332p.

Boak E. H., Turner, I. L. 2005. Shoreline definition and detection: a review. Journal of Coastal Research, 21(4):688-703.

Bonetti, J., Woodroffe, C. D. 2017. Spatial Analysis on GIS for Coastal Vulnerability Assessment. In: Bartlett, D. & Celliers, L. (eds.). Geoinformatics for Marine and Coastal Management. Chapter 16. CRC Press, Boca Raton, p. 367-396.

Bonetti J., Klein A. H. F., Muler, M., De Luca C. B., Silva G. V., Toldo Jr. E. E., Gonzalez, M. 2013. Spatial and numerical methodologies on coastal erosion and flooding risk assessment. In: FINKL C. (ed.) Coastal Hazards. Springer, Dordrecht, 423-442p.

Bonetti, J.; Serafim, M. B.; Aboudha, P. & Woodroffe, C. D. 2015. Multicriteria indices for coastal susceptibility assessment: a comparative study of embayed Brazilian and Australian coasts. In: CoastGIS 2015 – The 12th International Symposium for GIS and Computer Cartography for Coastal Zone Management. 22-24 April 2015 Western Cape, South Africa. CSRI, Cape Town, p. 36-40.

Boruff, B. J., Emrich, C., Cutter, S. L. 2005. Erosion hazard vulnerability of US coastal counties. Journal of Coastal Research, 21(5): 932-943.

CEPAL – Comisión Económica para América Latina y el Caribe 2011. División de Desarrollo Sostenible y Asentamientos Humanos. Efectos del cambio climático en la costa de América Latina y el Caribe: dinámicas, tendências y variabilidad climática. Naciones Unidas, Santiago de Chile, 263p.

CEPAL – Comisión Económica para América Latina y el Caribe 2012. División de Desarrollo Sostenible y Asentamientos Humanos. Efectos del cambio climático en la costa de América Latina y el Caribe: efectos teóricos. Naciones Unidas, Santiago de Chile, 154p.

Crowell M., Leatherman S.P., Buckley M.K. 1991. Historical shoreline change: error analysis and mapping accuracy. Journal of Coastal Research, 7(3):839-852.

EURIMAGE 2001. Eurimage Products and Services: QUICKBIRD. Digital Globe, California, 10p.

FATMA – Fundação do Meio Ambiente 2010. Lista das espécies da fauna ameaçada de extinção em Santa Catarina: relatório técnico final. FATMA, Santa Catarina, 57p.

FGDC-STD – Federal Geographic Data Committee 1998. Geospatial positioning accuracy standards (part 3): national standard for spatial data accuracy. Federal Geographic Data Committee, Washington, 25p.

Freitas D. 2008. Quantificação de perigos costeiros e projeção de linhas de costa futuras para a Enseada do Itapocorói. Trabalho de conclusão de curso. Bacharelado em Oceanografia, Universidade do Vale do Itajaí, 61p.

Gornitz V. 1991. Global coastal hazards from future sea level rise. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, 89:379-398.

Gornitz V., White T.W., Cushman R.M. 1991. Vulnerability of the US to future sea level rise. In: Symposium on Coastal and Ocean Management, 7. Long Beach, Proceedings… Oak Ridge National Lab., Oak Ridge, 1345-1359p.

Gornitz V., White T. W. 1992. A coastal hazards database for the U.S. East Coast. ORNL/CDIAC-45, NDP-043A. Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, 83p.

Hammar-Klose E. S., Thieler E. R. 2001. Coastal vulnerability to sea level rise: a preliminary database for the U.S. Atlantic, Pacific, and Gulf of Mexico Coasts. U.S. Geological Survey. Disponível em: http://pubs.usgs.gov/dds/dds68/. Acessado em: 4 de julho de 2015.

Hammar-Klose E. S., Pendleton E. A., Thieler E. R., Williams S. J. 2003. Coastal vulnerability assessment of Cape Cod National seashore to sea-level rise. Geological Survey. Disponível em: http://www.pubs.usgs.gov/of/2002/of02-233/caco.htm. Acessado em: 4 de julho de 2015.

Hoefel, F. G. 1998. Morfodinâmica de praias arenosas oceânicas: uma revisão bibliográfica. Ed. da UNIVALI, Itajaí, 92p.

Horn Filho N.O., Diehl F.L. 2004. Santa Catarina coastal province, Brazil: geology, geomorphology and paleogeography. Journal of Coastal Research, SI39:311-315.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2000. Censo demográfico 2000: características da população e dos domicílios (resultados do universo). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000. Acessado em 1 de novembro de 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2010a. Cidades@. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php. Acessado em 1 de novembro de 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2010b. Censo Demográfico 2010: Famílias e domicílios (resultados da amostra). IBGE, Rio de Janeiro, 203p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2011. Base de informações do Censo Demográfico 2010: resultados do Universo por setor censitário. IBGE, Rio de Janeiro, 201p.

IPCC – Intergovernmental Panel on Climate Change 2014. Climate Change 2014: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change (Core Writing Team, R.K. Pachauri and L.A. Meyer [Eds.]). IPCC, Geneva, Switzerland.

Klein, A. H. F., Short, A. D., Bonetti, J. 2016. Santa Catarina beach systems. In: Short, A. D., Klein, A. H. F. (eds.). Brazilian Beach Systems. Chapter 17. Coastal Research Library 17. Springer. Switzerland, p. 465-506.

Krueger J. 2011. Análise dos Parâmetros meteorológicos e oceanográficos dos eventos de ressaca, ocorridos entre 2001 e 2010, no Estado de Santa Catarina. Trabalho de conclusão de curso. Bacharelado em Oceanografia, Centro de ciências tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, 77p.

Leatherman S. 2003. Shoreline change mapping and management along the U.S. East Coast. Journal of Coastal Research, SI38:5-3.

Mazzer A. M. 2007. Proposta metodológica de análise de vulnerabilidade da orla marítima à erosão costeira: aplicação na costa sudeste da Ilha de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 169p.

McLaughlin S., Cooper J. A. G. 2010. A multi-scale coastal vulnerability index: a tool for coastal managers? Environmental Hazards, 9:233-248.

McLaughlin S., Mckenna J., Cooper J. A. G. 2002. Socio-economic data in coastal vulnerability indices: constraints and opportunities. Journal of Coastal Research, Northern Ireland, SI36:487-497.

Monteiro M. A, Furtado S. M. A. 1995. O clima do trecho Florianópolis – Porto Alegre: uma abordagem dinâmica. Geosul, 20(19):117-133.

Muehe, D., Klumb-Oliveira, L. 2014. Deslocamento da linha de costa versus mobilidade praial. Quaternary and Environmental Geosciences, 5(2):121-124.

Muler M. 2012. Avaliação da vulnerabilidade de praias da Ilha de Santa Catarina a perigos costeiros através da aplicação de um índice multicritério. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, 184p.

Muler, M. Bonetti J. 2014. An integrated approach to assess wave exposure in coastal areas for vulnerability analysis. Marine Geodesy, 37(2): 220-237.

Mussi C. S. 2011. Avaliação da sensibilidade ambiental costeira e de risco à elevação média dos oceanos e incidência de ondas de tempestade: um estudo de caso para a Ilha de Santa Catarina, SC. Dissertação de mestrado. Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Universidade do Vale do Itajaí, 54p.

Nguyen, T. T. X. And Woodroffe, C. D. 2015. Assessing relative vulnerability to sea level rise in the western part of the Mekong River Delta in Vietnam. Sustainability Science, September 2015: 1–15

Nguyen, T. T. X., Bonetti, J., Rogers, K., Woodroffe, C. D. 2016. Indicator-based assessment of climate-change impacts on coasts: a review of concepts, approaches and vulnerability indices. Ocean & Coastal Management, 123:18-43.

Pavan R. A. 2012. Avaliação da sensibilidade ambiental costeira e de risco sócio ambiental do litoral centro-sul catarinense a eventos naturais extremos e à elevação do nível médio dos oceanos. Dissertação de mestrado. Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Centro de ciências tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, 80p.

Piana C. F. B., Machado A. A., Selau L. P. R. 2009. Estatística básica: versão preliminar. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. Disponível em: http://www.energiapura.net.br/alunos/planejamento_experimentos/Aulas_PAE/aula1_PAE/Apostila_EB.pdf. Acessado em 2 de janeiro de 2016.

Rodrigues M. L. G., Franco D., Sugahara S. 2004. Climatologia de frentes frias no litoral de Santa Catarina. Revista Brasileira de Geofísica. 22(2):135-151.

Rudorff F. M., Bonetti J. 2010. Avaliação da suscetibilidade à erosão costeira de praias da Ilha de Santa Catarina com base em geoindicadores e técnicas de análise espacial de dados. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, 14:9-20.

Rudorff F. M., Bonetti J., Moreno D. A., Oliveira C. A. F., Murara P. G. 2014. Maré De Tempestade. In: Herrmann, M. L. P. (ed.). Atlas de Desastres Naturais do Estado de Santa Catarina: período de 1980 a 2010. 2ª ed. IHGS, Florianópolis, 151-154p.

Santa Catarina 2006. Decreto nº 5.010, de 22 de dezembro de 2006. Regulamenta a Lei n. 13.553, de 16 de novembro de 2005. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, Florianópolis.

Scolaro T. L. 2013. Avaliação da sensibilidade ambiental costeira e análise de risco socioambiental do litoral centro-norte catarinense, com base na vulnerabilidade do ambiente às mudanças climáticas. Dissertação de mestrado. Pós-Graduação em Geociências, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 129p.

Sharples C., Mount R. 2009. The Australian coastal smartline geomorphic and stability map version 1: manual and data directory. University of Tasmania, School of geography and environmental studies, 140 p.

Silva A. F. 2010. Comportamento morfodinâmico e sedimentar das praias adjacentes ao promontório de Itapirubá, SC, Brasil. Dissertação de Mestrado. Pós-graduação em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, 131p.

Szlafsztein F., Sterr, A. 2007. A GIS-based vulnerability assessment of coastal natural hazards, state of Pará, Brazil. Journal of Coastal Research, 11(1): 53-66.

Thieler E.R., Himmelstoss E.A., Zichichi, J.L., Ergul, A. 2009. Digital Shoreline Analysis System (DSAS) version 4.0: an ArcGIS extension for calculating shoreline change. U.S. Geological Survey Open-file Report 2008-1278, 79p.

Torresan S., Critto A., Dalla Valle M., Harvey N., Marcomini A. 2008. Assessing coastal vulnerability to climate change: comparing segmentation at global and regional scales. Sustainability Science, 3:45-65.

Trucollo E.C. 1998. Maré meteorológica e forçantes atmosféricas locais em São Francisco do Sul – SC. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, 100p.

UNISDR – United Nations International Strategy for Disaster Reduction 2009. UNISDR Terminology on Disaster Reduction. United Nations, Geneva, Switzerland.

USACE – US Army Corps of Engineers 2002. Water Wave Mechanics. In: USACE. Coastal Engineering Manual. Vicksburg, Mississippi, 121 p.

Vieira Da Silva G., Muler M., Prado M. F. V., Short A. D., Klein A. H. F., Toldo Jr. E. E. 2016. Shoreline change analysis and insight into the sediment transport path along Santa Catarina Island north shore, Brazil. Journal of Coastal Research, 32(4): 863-874.

Zazula J. 2005. Find Polyline Angle. City of Barrie, Canada. Disponível em: http://arcscripts.esri.com/details.aspdbid=14234. Acessado em 1 de junho de 2013




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v8i2.47281

Quaternary Environmental Geosciences