Paleorrelevo pleistocênico e estimativas de dissecação vertical e volumétrica para o Holoceno em uma pequena bacia hidrográfica - Médio Vale do rio Paraíba do Sul (RJ)

André Souza Pelech

Resumo


O médio vale do rio Paraíba do Sul é marcado por diversos episódios de preenchimentos dos fundos de vale e reencaixamento da drenagem. Dentre esses episódios, o evento Manso caracteriza uma grande instabilidade na paisagem durante o início do Holoceno que gerou intensos processos erosivos nas encostas. A remobilização de sedimentos foi tão intensa, que os canais fluviais não tiveram competência para transportá-los, ocasionando um entulhamento generalizado tanto nos vales fluviais quanto nas cabeceiras de drenagem. Estudos na bacia do ribeirão dos Três Poços, tributária do rio Paraíba do Sul, estimaram que os depósitos sedimentares relacionados ao entulhamento correspondem a um volume entre 13 e 18 milhões de metros cúbicos, e mesmo após  episódios de reencaixamento da drenagem, aproximadamente 70% desse volume ainda se encontra preservado dentro da bacia. O presente estudo teve como objetivos a identificação o paleorrelevo anterior ao evento Manso e a avaliação do volume sedimentar erodido principalmente durante o evento Manso. O paleorrelevo foi obtido por uma interpolação das cotas altimétricas de topos e linhas de cumeada, através de procedimentos semi-automatizados em ambiente SIG. O estudo estimou que o volume sedimentar remobilizado durante o evento Manso foi entre 100 e 230 milhões de metros cúbicos, e apenas uma quantia entre 6,5% e 15% deste montante foi responsável pelo entulhamento generalizado da paisagem durante o Holoceno


Palavras-chave


paleorrelevo; dissecação vertical e volumétrica; Médio Vale do rio Paraíba do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


Aires J.R., Motoki A., Motoki K.F., Motoki D.F., Rodrigues J.G. 2012. Análises geomorfológicas do Platô de Teresópolis e da Serra do Mar, RJ, com o auxílio de Seppômen e ASTER GDEM e sua relação aos tectonismos cenozóicos. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, 35(2):105-123.

Barros S. C., Pelech A.S., Peixoto M.N.O. 2007. Avaliação da Produção de Sedimentos em Cabeceiras de Drenagem entulhadas na Sub-bacia do Córrego Resgate (Bananal, SP). In: X Simpósio de Geologia do Sudeste, Diamantina, Livro de Resumos, p.151.

CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais 2007. Mapa geológico (Folhas Volta Redonda e Santa Rita de Jacutinga). Escala 1:100.000. Disponível em: http://www.cprm.gov.br.

Ferraz C.M.L., Valadão R.C. 2006. A tectônica cenozóica e a evolução do relevo: das “Chapadas” do Jequitinhonha à Planície Costeira do Sul da Bahia. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia, Goiânia, Anais do congresso.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2007. Folha 2743-2 NE. Rio de Janeiro, Modelo Digital de Elevação, Escala 1:25.000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2009a. Base cartográfica integrada ao Milionésimo. 2009a. Rio de Janeiro, Escala 1:1.000.000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2009b. Manual Técnico de Geomorfologia. Segunda edição. Rio de Janeiro, 182p. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Mello C.L. 1992. Fácies Sedimentares, Arquitetura Deposicional e Relações Morfoestratigráficas em um Sistema de Leques Aluviais Holocênicos: Aloformação Manso- Médio vale do rio Paraíba do Sul (SP/RJ). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 188p.

Mello E.V., Peixoto M.N.O., Silva T.M., Moura J.R.S. 2005. Evolução da rede de drenagem e transformações tecnogênicas nos canais fluviais em Volta Redonda (RJ), médio vale do Paraíba do Sul. 2005. In: X Congresso da Abequa – I Encontro Brasileiro do Tecnógeno, Guarapari, Boletim de resumos.

Meis M.R.M., Moura J.R.S. 1984. Upper Quaternary Sedimentation and Hillslope Evolution: Southeastem Brazilian Plateau. Amer. Joum. of Science, 284:241-254.

Motoki A., Petrakis G.H., Sichel S.E., Cardoso C.E., Melo, R.C., Soares R.S., Motoki K.F. 2008. Landform origin of the Mendanha Massif, State of Rio de Janeiro, Brazil, based on the geomorphological analyses by summit level map technique. Geociências, 27(1):99-115.

Moura J.R., Mello C.L. 1991. Classificação Aloestratigráfica do Quaternário Superior na Região de Bananal(SP/RJ). Revista Brasileira de Geociências, 21(3):236-254.

Moura J.R.S., Peixoto M.N.O., Silva T.M. 1991. Geometria do relevo e estratigrafia do quaternário como base à tipologia de cabeceiras de drenagem em anfiteatro – médio vale do rio Paraíba do Sul. Revista Brasileira de Geociências, 21(3):255-265.

Peixoto M.N.O. 1993. Estocagem de sedimentos em cabeceiras de drenagem em anfiteatro: Médio Vale do rio Paraíba do Sul (SP/RJ). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 192p.

Pelech A.S. 2013. Balanço sedimentar holocênico da bacia hidrográfica do ribeirão dos Três Poços – Volta Redonda/Pinheiral (RJ). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 138p.

Sanson M.S.R. 2006. Sistemas Deposicionais Aluviais e Tectônica Rúptil Cenozóica na Região de Volta Redonda (RJ): Rift Continental do Sudeste do Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 142p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v7i1-2.42458

Quaternary Environmental Geosciences